ACOMPANHE-NOS    
AGOSTO, SEXTA  14    CAMPO GRANDE 33º

Faz Bem!

Janeiro Verde quer tirar MS do 4º lugar no ranking de câncer do colo do útero

No Hospital de Câncer de Barretos, em Campo Grande, exame preventivo é marcado sem fila de espera

Por Post Patrocinado | 09/01/2018 07:20
Exames coletados são organizados para envio à sede do Hospital, em Barretos (SP). (Foto: Paulo Francis)
Exames coletados são organizados para envio à sede do Hospital, em Barretos (SP). (Foto: Paulo Francis)

O exame preventivo periódico é considerado uma estratégia eficiente disponível no sistema de saúde para prevenção do câncer do colo do útero, assim como a vacinação contra o HPV. Por isso, fazer o Teste Papanicolau, no mínimo, a cada 3 anos, deve ser prioridade entre mulheres entre 25 e 64 anos de idade. 

Na unidade do Hospital de Câncer de Barretos em Campo Grande, as pacientes nem sequer enfrentam fila de espera para agendar o exame preventivo. Basta ter o número do cartão do SUS, ligar e o horário é marcado dentro de uma semana, pela manhã ou à tarde.

Também é rápida e indolor a coleta do material, que vai para laboratório em Barretos (SP) onde é analisado. Depois que o resultado fica pronto, é encaminhado via Correios e chega na casa da paciente. Caso haja alguma alteração a ser investigada, a mulher é chamada até o hospital e continua a ser acompanhada por especialistas aqui em Campo Grande.

Neste mês, a campanha "Janeiro Verde" intensifica as ações de conscientização no Hospital do Câncer, para garantir a detecção precoce, o que reduz os riscos de morte. Mato Grosso do Sul já melhorou nas estatísticas, saiu do 2º lugar em 2012, para a 4º posição em novos casos da doença em 2016. Mas os números mostram que para muitas pessoas o preventivo ainda não é um hábito.

Atendimento é de excelência, com todo conforto e privacidade para as mulheres. (Foto: Paulo Francis)
Atendimento é de excelência, com todo conforto e privacidade para as mulheres. (Foto: Paulo Francis)

Aos 25 anos a jovem deve inserir o exame na rotina. Aos 26 precisa repetir o teste, mas se nada for detectado, a partir de então só vai precisar refazer o Papanicolau a cada 3 anos.

O que as mulheres precisam entender é que o preventivo só é eficaz se feito periodicamente, porque na coleta do material, apenas algumas celulas de parte do útero são retiradas para analise. Assim, nem todas as áreas são verificadas. A cada exame, amostra de parte diferente do útero é coletada, e assim o rastreamento é ampliado ano a ano.

O preventivo existe para descobrir a doença na fase pré-câncer, com a detecção de lesões superficiais, que antecedem o aparecimento da doença. Quando o diagnóstico chega nesta etapa, a chance de cura é de 100%.

Caso o câncer já esteja instalado, o tratamento começa imediatamente. A paciente é encaminhada para novos exames e para a unidade referência em tratamento do câncer do colo de útero em Campo Grande.

O vírus HPV é uma das principais causas da doença. A transmissão sexual ocorre por contato direto com a pele infectada, por isso é altamente contagioso. O problema é que o HPV age de maneira silenciosa e só é detectado quando já causou lesões.

Ginecologista Adriane Bovo mostra exemplo de exame com alteração no colo. (Foto: Paulo Francis)
Ginecologista Adriane Bovo mostra exemplo de exame com alteração no colo. (Foto: Paulo Francis)

No ano passado, 26.578 exames preventivos foram realizados pelo Hospital do Câncer de Barretos aqui na cidade.

Cada mulher que passa pela unidade, é inserida no programa de prevenção. Quando chega a época de repetir o teste, elas são convocadas por carta para comparecerem ao hospital. "O problema no Brasil é que algumas mulheres fazem o exame demais, até de 6 em 6 meses, e outras fazem de menos, porque não respeitam o prazo de 3 anos. E isso compromete todo a acompanhamento", comenta a ginecologista Adriane Bovo.

Com doutorado em prevenção, a especialista lembra que até o tabagismo é um fator de risco no caso do câncer do colo do útero. "Porque ele diminui a capacidade do organismo eliminar o HPV de maneira natural", explica.

Troca frequente de parceiros, sem uso de preservativo, é outro componente que potencializa o contágio, assim como o uso prolongado de anticoncepcionais.

Na luta contra a doença, outra maneira de prevenção é a vacina, independente da idade da mulher. "A imunização protege contra 4 tipos de HPV. Por isso, mesmo que a mulher seja mais velha, ainda pode ter contato com o vírus e se vacinada evita lesões causadas por eles. Então nunca é demais a imunização", justifica a ginecologista.

Hoje, a vacina é oferecida de graça na rede pública, para meninas de 9 aos 15 anos e meninos de 11 aos 15. Mas a rede privada tem imunização disponível para todas as idades, por cerca de R$ 450,00 cada dose.

Todas as pacientes são identificadas por códigos, para acompanhamento periódico. (Foto: Paulo Francis)
Todas as pacientes são identificadas por códigos, para acompanhamento periódico. (Foto: Paulo Francis)

Os exames preventivos podem ser agendadaos pelo telefone (67) 3304-6600, entre 7h é 16h, diariamente. Quatro atendentes estão disponíveis para repassar informações e solucionar dúvidas.

O atendimento é garantido a todas pessoas que possuem cartão do SUS. Basta ligar ou ir até o Hospital de Câncer de Barretos, que fica na Avenida Vereador Thyrson de Almeida, 3103, no Bairro Aero Rancho.