ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
FEVEREIRO, DOMINGO  25    CAMPO GRANDE 21º

Faz Bem!

Parece terapia em grupo, mas biodanza tem movimento e muitos abraços

Naiane Mesquita | 02/06/2015 06:45
Grupo participa de aula experimental no Instituto Muryokan de Desenvolvimento Humano (Foto: Marcelo Calazans)
Grupo participa de aula experimental no Instituto Muryokan de Desenvolvimento Humano (Foto: Marcelo Calazans)

De longe pode parecer no mínimo exótico a cena ao observar alguns minutos de interação entre os praticantes de biodanza. Um grande círculo se desfaz para que os colegas formem duplas e então dancem. Assim mesmo, sem passos certos, sem regras, apenas com as mãos dadas. O único objetivo é mexer o esqueleto, se movimentar rapidamente, liberar a endorfina. Como o Lado B nunca escreveu sobre o assunto, decidimos fazer a experiência.

Controlando o som e a intensidade do exercício está o professor Hélio Arakaki, 53 anos. Especialista no assunto, o campo-grandense descendente de japonês, dedicou 25 anos da vida ao conhecimento e desenvolvimento da técnica, que nasceu no Chile e se popularizou por todo o mundo.

Hélio Arakaki começou a praticar a biodanza em 1985, durante um congresso no Japão
Hélio Arakaki começou a praticar a biodanza em 1985, durante um congresso no Japão

Durante a aula experimental na manhã de domingo, Arakaki dialogou com todos os públicos. Recolheu depoimentos de praticantes veteranos e dos novatos em busca de uma transformação interior. "A biodanza pode ser descrita como uma integração da pessoa com ela mesma e com o outro", acredita o professor.

Arakaki toca em uma questão muito comum ao ser humano: todos nós buscamos algo. Seja nos bancos das igrejas ou nos sofás dos terapeutas, estamos à procura de um alívio para o estresse cotidiano, que surge a partir de algum desequilíbrio físico ou das relações pessoais. Vivemos no limite sempre, mas não há uma válvula de escape universal. Cada um precisa escolher o seu caminho e se entregar a ele com sabedoria.

"Hoje as pessoas tem uma maior dificuldade de estabelecer vínculos afetivos, estão desconfiados, vieram de uma educação repressora e tudo isso causa dificuldades no futuro, que vão se manifestar aqui na biodanza", defende Arakaki.

Professor também de artes marciais, ele descobriu a biodanza em 1985, por meio de um brasileiro, em um congresso espiritualista no Japão. Terceira geração de uma família japonesa, ele afirma que o contato mais próximo que recebia era um aperto de mãos. "Até para cumprimentar os japoneses são contidos. Abraço era muito difícil e acredito que por isso a biodanza foi tão impactante para mim", explica.

Do congresso de volta ao Brasil, o professor continuou os estudos e montou um Núcleo de Biodanza. "Lembro que fui conversar com uma farmacêutica homeopática e contei para ela da experiência. Quando terminei ela me mostrou um cartaz dizendo que haveria um workshop sobre o tema em Campo Grande", relembra.

Destino ou não, Arakaki nunca mais parou de desenvolver a técnica. "As artes marciais complementam a biodanza. Enquanto na primeira eu tenho disposição de levantar, cair, levantar novamente, na outra eu tenho sensibilidade, flexibilidade, fluidez. Não podemos ser só corajosos, é preciso desenvolver outras qualidades", diz.

No encerramento, alunos se abraçam como forma de praticar a afetividade e a transcendência
No encerramento, alunos se abraçam como forma de praticar a afetividade e a transcendência

Apesar de popular, com mais de 20 alunos na aula experimental em pleno domingo, nem todos estão preparados para a técnica, segundo o professor. "Tem gente que vai embora. Depende da progressividade, cada pessoa tem o seu tempo, seu ritmo, a biodanza muda a estrutura de vida das pessoas, não sabemos as dificuldades internas de cada um", afirma.

Para quem fica, é preciso trabalhar as cinco potencialidades do corpo. "Vitalidade, sexualidade, criatividade, afetividade e transcendência, ou seja, a capacidade de estar em perfeita comunhão com a vida, flutuando, em perfeito paraíso", enumera.

Entre as que lutam por esse estado, está a servidora pública Paula Belisa, 31 anos. Adepta do veganismo crudívoro, ela afirma que optar pela biodanza trouxe a tona uma força interna que ela desconhecia.

"Faço há 1 ano, hoje sou muito mais segura do que eu era. Aprendi a confiar mais nos meus instintos, cresci muito, emagreci 12 kg com essas novas escolhas e como optei pelo veganismo e sofri muitas críticas, a biodanza me ajudou a superar isso e seguir em frente com a minha escolha", pontua.

Quem quiser conhecer a biodanza haverá um workshop sobre a técnica nos dias 13 e 14 de junho, no instituto, localizado na rua 14 de julho, 635.

Nos siga no Google Notícias