ACOMPANHE-NOS    
JUNHO, DOMINGO  20    CAMPO GRANDE 13º

Games

Veja games do Virtual Boy que você nunca vai jogar

Por Ricardo Syozi | 11/05/2021 06:25
VB Mario Land.
VB Mario Land.

O grande mestre Gunpei Yokoi, criador do Game Boy, teve uma visão que estava muito à frente de seu tempo. Ele percebeu que a tecnologia de três dimensões poderia muito bem ser usada em prol dos videogames, assim juntou a sua ideia em um portátil esteticamente lindo, mas que infelizmente possuía seus muitos defeitos.

O Virtual Boy foi lançado em 1995, trazia em sua line-up títulos fortes como Mario’s Tennis, Red Alarm e Gallactic Pinball. As suas propagandas eram focadas na ideia que antes dele vivíamos no mundo das cavernas, e que precisávamos de um console de três dimensões para enxergar melhor o nosso mundo. Poucos títulos foram lançados, alguns muito bons como Mario Clash e Wario Land, mesmo assim nenhum desses games conseguiu impedir o fracasso do console e consequentemente o cancelamento de sua produção.

E por falar nisso, dei uma vasculhada nos games que estavam planejados para serem lançados no console, mas que nunca viram a luz do dia. Vamos conhecer!

Donkey Kong Country 2 - A sequência direta do sucesso com o nosso gorilão esteve em desenvolvimento por poucas semanas. Ele seria um dos carros chefes do Virtual Boy, apresentando uma nova aventura em três dimensões que faria o queixo de qualquer fã cair metros abaixo. Infelizmente ele logo foi cancelado, e a Rare decidiu movê-lo para o Snes. Assim nasceu DKC 2: Diddy’s Kong Quest em 1995.

VB Mario Land - Embora Wario tenha um jogo de plataforma só seu, Mario infelizmente não teve essa regalia no Virtual Boy. Apesar de mostrarem uma demo que misturava as mecânicas do Super Mario Bros clássico com o conceito de duas camadas do Virtual Boy Wario Land e seções de adventure com dungeons a lá Zeldas do SNES, o jogo não foi pra frente. Entretanto, um resquício seu foi preservado: um minigame baseado no Mario Bros. de arcades acabou tornando-se um jogo próprio, que foi lançado com o nome de Mario Clash.

Zero Racers - É interessante imaginar que se o Virtual Boy tivesse sido um sucesso, talvez a maneira como jogamos F-Zero fosse radicalmente diferente. Zero Racers, que estava sendo produzido para o console, colocava os veículos (dessa vez mais parecidos com espaçonaves) para se locomover em túneis de wireframe (como no jogo Red Alert), com o jogador podendo movê-los horizontal e verticalmente no espaço, ao invés de ficarem presos a uma pista. As mecânicas de colisão e diversos corredores continuavam lá e, embora nunca tenha visto a luz do dia, o jogo chegou a receber um preview após ser testado pela falecida revista gringa, Nintendo Power.

 Worms - O jogo da franquia Worms em desenvolvimento pro Virtual Boy, que poderia ter sido “o primeiro de muitos”, acabou sendo visto como uma investida “Kamikaze” pela galera da desenvolvedora e da publisher britânicas, Team17 e Ocean Software. O game não passou da fase de pré-produção, pois arquivaram o projeto quando o Virtual Boy foi cancelado na Europa e nenhuma das partes envolvidas acreditava no potencial do jogo (ou do console).

007 Goldeneye
007 Goldeneye

007 Goldeneye - Ao mesmo tempo que o fabuloso sucesso chamado Goldeneye estava em desenvolvimento para o Nintendo 64, uma outra aventura de James Bond estava sendo preparada pela Rare ou pela Nintendo (até hoje não se sabe ao certo quem estava produzindo o game para o Virtual Boy). A única certeza é que ele não teria nada a ver com a versão baseada no filme, pois ao invés de um game de tiro, esta versão seria de corrida, onde pilotaríamos alguns dos famosos carros do agente secreto enquanto tentaríamos derrubar veículos dos adversários da pista.

 Mighty Morphin Power Rangers - Um game baseado na série de televisão que bombava nos anos 90. Aparentemente, a ideia desta versão exclusiva seria a mesma da maioria das outras versões, ou seja, um beat’ em up total com os personagens icônicos, robôs gigantes e lutas contra chefes monstruosos. A produtora Bandai planejava lançar o game em meados de 1996, mas logo o cancelou por motivos óbvios.

 Dragon Hopper - Com certeza um dos títulos que mais empolgaram os poucos donos de Virtual Boy e que mais doeu ao ser cancelado. Dragon Hopper era uma aventura no maior estilo de Zelda, com visão aérea, memória interna para save, e uma visão 3D que realmente parecia em três dimensões. O título foi apresentado em dois eventos seguidos: Space World 1995 e E3 1996, até mesmo a Nintendo Power fez um preview do game e comerciais de TV foram apresentados. Outro ponto bacaninha era que controlávamos um dragão chamado Dorin, conhecíamos fadas e ganhávamos poderes elementais para seguir na aventura. Até hoje há fãs que clamam pelo lançamento do game, onde muitos acreditam que poderia ter competido de igual com Link e companhia.

 Doraemon - O famoso anime quase ganhou uma versão em game para o Virtual Boy. Pouco sabemos sobre o game, apenas que ele seria uma aventura baseada na série “World of Fairies”, e que teria um estilo meio RPG. Há pouquíssimas imagens pela internet, em uma delas o protagonista está conversando com algum NPC enquanto que na outra, até já famosa, o personagem está em uma montanha russa. Nela podemos ver também corações representando a vida de Doraemon. Com certeza teria sido um título que agradaria bastante os fãs da série.

 Virtual Bomberman - Uma das parceiras do Virtual Boy em seu lançamento, a Hudson havia prometido um game exclusivo de seu icônico personagem. Ele trazia uma aventura típica do Bomberman em três dimensões e belos efeitos de explosões para a época. Possuía um Story Mode e um Challenge Mode onde o jogador precisava terminar uma tela dentro de uma certa quantidade de tempo. Haveria também armaduras diferentes que ofereciam novas habilidades e estratégias. O game foi apresentado pela primeira vez no Nintendo Space World 95, houve uma grande empolgação por parte dos fãs, mas após ser adiado uma vez, ele logo foi oficialmente cancelado.

Virtual Dodgeball - Imagine usar o seu Virtual Boy como um simulador de queimada... Esta era a ideia do estúdio japonês Hect. O jogador encarnaria um dos integrantes de um time composto por seis pessoas e tentaria acertar os adversários com boladas precisas. Mesmo que nunca foi divulgada uma única imagem sequer, podemos imaginar como seria isso em uma visão em primeira pessoa. Só me pergunto se daria certo…

Virtual Block - Imagine uma versão em 3D de Arkanoid, Alleyway ou Breakout. Pronto. Isso é o que Virtual Block teria sido. O jogador controlaria duas barras e tentaria manter uma bola batendo e rebatendo nos blocos enquanto os destrói. O legal era que cada um dos dois direcionais do console servia para controlar uma das barras, o que deixava o game bem difícil de se dominar. Ele foi apresentado no Nintendo Space World 95, o que quer dizer que pelo menos uma versão protótipo tenha existido.

 Virtual Gunman - Este título seria um shooter (game de tiro) no estilo de light gun (no estilo de games como Virtual Cop e Link’s Crossbow Training). Seriam apenas cinco níveis cheios de inimigos e outras ameaças. O jogador usaria o direcional para controlar a mira enquanto que os botões B e A seriam usados para atirar e recarregar respectivamente, Este foi mais um dos títulos apresentados no Nintendo Space World 95, mas que jamais saiu de lá.

 J-League 3D Stadium - Um game de futebol baseado na liga japonesa. É claro que se tivesse visto a luz do dia, ele seria lançado nas américas como um International Superstar Soccer VB (nome que imaginamos, mas que não é oficial). As poucas informações sobre o game é que ele estava sendo produzido pelo estúdio J-Wing e seria lançado em março de 1996. Uma pena, pois teria sido bem bacaninha ver o famoso Allejo em três dimensões fazendo seus golaços pela nossa seleção.

3D Tank - O falecido estúdio Boss Game estava planejando um game de tanques em primeira pessoa para lançar no Virtual Boy. Ele foi apresentado na E3 1995, mas sem imagens ou vídeos. Um dos produtores afirma que ele já estava completamente pronto quando a Nintendo cancelou a produção do console e o projeto foi jogado em um canto escuro para jamais ver a luz do dia. De qualquer maneira, o título possuiria gráficos similares ao do primeiro Star Fox, mas com a limitação das cores preta e vermelha. Será que perdemos muito ao nunca jogar 3D Tank?

Conheça o Video Game Data Base, o museu virtual brasileiro dos videogames.

Nos siga no Google Notícias
Regras de comentário