ACOMPANHE-NOS    
OUTUBRO, QUARTA  21    CAMPO GRANDE 28º

Sabor

Receita a 4 mãos, doce de leite feito por avó e neta leva carinho e amor

Em meio à pandemia, negócio familiar cresce levando gosto caseiro à quem busca por momento de conforto

Por Raul Delvizio | 23/08/2020 07:12
Antes da pandemia, a avó Maria José com a neta Yara: união mais que doce. (Foto: Arquivo Pessoal)
Antes da pandemia, a avó Maria José com a neta Yara: união mais que doce. (Foto: Arquivo Pessoal)

Se a união faz a força, a matriarca Maria e sua neta Yara sabem o quão valioso é o querer bem a alguém. E o fazer bem. “Juntas” mas à distância, elas preparam um doce de leite bem caseiro para quem está precisando adoçar a vida em tempos de pandemia.

“O nome ‘De Vó para Neta’ surgiu pelo nosso trabalho de formiguinha, de primeiro cuidar do sabor para depois chegar à entrega com o bilhetinho. Na panela, depositamos oração, amor e carinho. Mas é coisa mesmo entre neta e avó”, explica Maria José da Silva, professora de geografia na rede estadual de ensino.

Dona Maria segura colher de pau na panela de cozimento. (Foto: Arquivo Pessoal)
Dona Maria segura colher de pau na panela de cozimento. (Foto: Arquivo Pessoal)

O negócio surgiu quando menos se esperava. Seu marido ficou desempregado, e a irmã Margarida, que tem uma chácara produtora de leite, precisava de ajuda. O esposo de Maria José assumiu a distribuição dos produtos que deveriam satisfazer a vários mercados de bairro espalhados pela Capital. Porém, nem todas as embalagens eram vendidas, portanto, devolvidas antes do prazo de validade. Foi então que a avó pensou em elaborar um quitute para não perder a leva. "Tia Margarida já sabia preparar alguns doces caseiros, como o de abóbora e goiaba. Mas somente quando as duas se juntaram para testar várias receitas acabaram chegando na que vendemos hoje", relembra a neta Yara Nepomuceno, estudante do quinto ano em medicina. "É a oportunidade que encontramos de trabalhar em família e ainda fazer acontecer mais uma renda", comenta Maria José.

Antes, a venda funcionava somente pelo boca a boca, em pequenos grupos de amigos, outros do trabalho, alguns da vizinhança e também entre os familiares. Com o passar do tempo, a clientela foi crescendo, aprovando o doce de leite, e Dona Maria teve que mexer cada vez mais a colher no tacho. "Minha avó nunca imaginou que haveria o retorno que temos hoje. Tudo aconteceu muito feliz, e rápido", afirma Yara.

"De Vó para Neta" na embalagem pronta para entrega. (Foto: Arquivo Pessoal)
"De Vó para Neta" na embalagem pronta para entrega. (Foto: Arquivo Pessoal)

De neta para a avó – Já que a matriarca ainda reside distante do Centro, a neta resolveu que as entregas poderiam ser solucionadas no prédio onde mora, por meio do sistema que o próprio cliente retira o pedido. "Até meu namorado entrou na jogada, fizemos a mesma coisa na casa dele", menciona. Com isso, o universo de clientes expandiu para os amigos da faculdade, igreja e até do próprio condomínio de Yara. "Metade das encomendas vem de onde eu moro. Acho que essa fidelização vem pelo sabor, as pessoas precisam de algo doce para alegrar a vida", reflete.

O empurrão para o digital também partiu da neta, ao criar um perfil no Instagram da marca. "Ela faz tudo que eu não consigo, e mais. Pelo celular, vai divulgando, vende, faz embrulho. E até escreve recadinho para cada cliente, em bilhetinhos fofos. Ela ajuda tanto, mesmo ocupada com a faculdade. O que fazemos aqui é uma troca de amor, entre nós duas, e o resultado está no doce de leite", agradece Maria José.

Curta o Lado B no Facebook e no Instagram. Tem uma pauta bacana para sugerir? Mande pelas redes sociais, e-mail: ladob@news.com.br ou no Direto das Ruas através do WhatsApp do Campo Grande News (67) 99669-9563.

Nos siga no Google Notícias
Regras de comentário