ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
MAIO, DOMINGO  26    CAMPO GRANDE 14º

Lado Rural

Perdas na produção de grãos em MS podem chegar a 10,4%, confirma Conab

Adversidades climáticas derrubam produtividade da soja e atraso na colheita ameaça o plantio do milho 2ª safra

Por José Roberto dos Santos | 08/02/2024 12:30
Agricultor acompanha colheita da soja em propriedade rural de MS; queda na produtividade é geral. (Foto: Arquivo/Semadesc)
Agricultor acompanha colheita da soja em propriedade rural de MS; queda na produtividade é geral. (Foto: Arquivo/Semadesc)

A Conab (Companhia Nacional de Abastecimento) divulgou nesta quinta-feira, 8, o 5º Levantamento da Safra de Grãos. Em Mato Grosso do Sul, o volume é 10,4% menor que o produzido no ciclo passado, o que representa 2,9 milhões de toneladas. Quando comparado com o primeiro levantamento – feito em outubro de 2023 – a diferença é de 1,3 milhão de toneladas. De lá para cá, os levantamento mostram sempre uma previsão em queda constante. Segundo a Conab, as adversidades climáticas afetaram a produtividade, reduzindo a produção total.

No levantamento feito pela Conab, Mato Grosso do Sul apresenta um crescimento de 6% na área plantada de soja, o principal grão produzido pelo Estado, ao lado do milho. São 4 milhões de hectares nesta safra, contra 3,7 milhões de hectares do ciclo passado. Apesar disso, o levantamento da companhia mostra uma queda de 10,4% na produtividade da soja – de 3.723 quilos por hectares na safra passada para 3.335 sc/ha neste ciclo. O resultado é uma produção de soja 5% menor nesta safra em relação ao ciclo anterior. São 14 milhões de toneladas (2022-23) contra 13,3 milhões para o ciclo 2023-24.

A justificativa para a queda na produtividade e, consequentemente da produção da soja, é o comportamento climático adverso nas principais regiões produtoras, que vem afetando negativamente as lavouras, desde o plantio, sobretudo para soja e milho. O atraso no plantio da soja já impacta negativamente no plantio da segunda safra de milho.

O levantamento da Conab inclui caroço de algodão, amendoim (1ª e 2ª safras), arroz, aveia, canola, centeio, cevada, feijão (1ª, 2ª e 3ª safras), gergelim, girassol, mamona, milho (1ª, 2ª e 3ª safras), soja, sorgo, trigo e triticale.

Nesta semana o Sindicato Rural de Campo Grande, Rochedo e Corguinho reuniu produtores rurais na sede da entidade para discutir os impactos do clima na produção de soja. Segundo o Sistema Famasul (Federação da Agricultura e Pecuária de Mato Grosso do Sul), devido ao clima, a safra atual deve produzir 1,2 milhão de toneladas a menos, em relação ao último ciclo e a produtividade da oleaginosa deve passar de 62 sacas para 54 sacas por hectare. Na cotação atual do grão, divulgada pelo próprio portal da Federação (R$ 86,00 em média), a perda da produtividade deve gerar um impacto negativo de R$ 1,72 bilhão na agricultura de MS.

Análise climática

Segundo o levantamento da Conab, que realizou visitas presenciais em Mato Grosso do Sul, ainda em dezembro ocorreram eventos de temperaturas elevadas e estiagem no Estado, o que gerou novas perdas produtivas reportadas neste levantamento. O clima normalizou somente a partir de janeiro, onde não houve calor extremo e melhorou a distribuição e volumes das chuvas.

Atualmente, há umidade disponível no solo e previsões de chuvas para a próxima semana que, se concretizarem, manterão as adequadas condições climatológicas para a evolução das lavouras que foram semeadas a partir de meados de outubro e que ainda apresentam boa capacidade produtiva.

Pragas e doenças

Houve surto de algumas pragas durante este período avaliativo, com destaque para a mosca-branca e tripes, que demandaram até três aplicações sequenciais para controle populacional. Chama a atenção a ocorrência do percevejo-marrom em todo o Estado, mas sua população é controlada sem causar prejuízos e custos além do esperado.

Já as doenças, pouco têm se manifestado, mesmo nas lavouras mais próxima da maturação, pois a permanência de maior período com baixa umidade desfavoreceu os agentes como fungos e bactérias. Conforme já esperado, os primeiros talhões colhidos tiveram a produtividade fortemente afetada pelas intempéries, mas aqueles semeados a partir de meados de outubro apresentam boa expectativa produtiva, com exceção dos muito tardios, implantados em dezembro, que devem ter aumentada a pressão de pragas e doenças.

Nos siga no Google Notícias