ACOMPANHE-NOS    
OUTUBRO, QUARTA  28    CAMPO GRANDE 20º

Meio Ambiente

Após apanhar e ser queimado, gambá é resgatado em Dois Irmãos do Buriti

Por Viviane Oliveira | 27/08/2012 17:00
O animal tem dificuldades para se alimentar e, segundo a veterinária não pode mais voltar para a natureza.
O animal tem dificuldades para se alimentar e, segundo a veterinária não pode mais voltar para a natureza.

Após apanhar e ser queimado, um gambá foi encontrado por volta das 11h da última sexta-feira (25) em Dois irmãos do Buriti. Agora, nunca mais vai voltar para a natureza.

O mamífero foi sorrido e encaminhado para a ONG Abrigo dos Bichos em Aquidauana. Lá o animal silvestre recebeu medicação e será encaminhado para o Cras (Centro de Reabilitação de Animais Silvestres), em Campo Grande.

O animal perdeu a maioria dos dentes, teve as patas dianteiras queimadas e a cabeça. A veterinária responsável pela ONG, Débora Nogueira da Silva, precisou tirar os dentes quebrados que estavam atravessados na boca do bicho.

Chamada para resgatar o animal, a funcionária de Controle de Vetores de dois Irmãos do Buriti, Valda Silva, achou que ele estava morto. Em uma pilha de tijolos embaixo de um sol forte o bicho, além de ter apanhado muito, ainda estava queimado.

Encaminhado no mesmo dia para o Abrigo dos Bichos em Aquidauana, o gambá foi medicado e agora precisa ser encaminhado para o Cras. “Aqui não temos especialistas para cuidar de animais silvestres”, disse a veterinária.

Segundo Débora, o gambá passa bem e é alimentado com bananas e ovos. Comum na região, o animal é do tamanho de um gato, pesa em média 4 quilos e tem 50 centímetros de comprimento.

Por causa das poucas matas, o mamífero - que é conhecido por soltar forte odor - acabou domesticado. “Eles incomodam um pouco, mas não justifica tamanha crueldade”, finaliza a veterinária.

De acordo com a lei federal 9.605/98, praticar ato de abuso, maltratar, ferir ou mutilar animais silvestres, domésticos e domesticados é crime, com multa e pena de três meses a um ano de prisão.

Nos siga no Google Notícias
Regras de comentário