ACOMPANHE-NOS    
SETEMBRO, SÁBADO  18    CAMPO GRANDE 31º

Meio Ambiente

Com navegação em risco, Estado pedirá dragagem do Rio Paraguai

Secretário de Meio Ambiente vai apresentar documento solicitando intervenção em três pontos críticos

Por Adriel Mattos e Gabriela Couto | 03/08/2021 12:17
Seca é cíclica, mas 2021 pode interromper navegação dois meses antes do previsto. (Foto: Toninho Ruiz/Arquivo)
Seca é cíclica, mas 2021 pode interromper navegação dois meses antes do previsto. (Foto: Toninho Ruiz/Arquivo)

Enfrentando uma seca histórica, o Rio Paraguai pode ter a navegação suspensa até o fim de agosto, na avaliação de Jaime Verruck, titular da Semagro (Secretaria de Estado de Meio Ambiente, Desenvolvimento Econômico, Produção e Agricultura Familiar). A declaração foi dada ao Campo Grande News, nesta terça-feira (3).

“Acredito que até o final de agosto, a gente não opera mais. Temos o monitoramento pelo Imasul (Instituto de Meio Ambiente de Mato Grosso do Sul) e vemos uma redução pela falta de chuvas. Só está navegando ainda porque a Vale usa um sistema de barcaça”, explicou.

Verruck ressaltou que a Argentina já decretou crise hídrica na bacia do Rio Paraná, devido à seca. Ainda conforme o secretário, o ciclo deste ano é incomum, já que a estiagem só interromperia a navegação em outubro.

Para tentar contornar o problema, o Governo do Estado vai pedir ao Ministério de Infraestrutura a dragagem em três pontos considerados críticos do rio. O ministro Tarcísio de Freitas estará em Campo Grande na próxima semana para a inauguração da reforma do aeroporto da Capital.

“Estamos apresentando um documento pedindo que se faça a dragagem em três pontos críticos, identificados pelo Dnit (Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes), e que consiga o licenciamento, já que o Ibama (Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis) não libera”, finalizou Verruck.

Entenda - Desde o dia 23 do mês passado, o Rio Paraguai vem registrando níveis negativos, que só aumentam com o decorrer da estiagem que atinge a região pantaneira, conforme os dados da Marinha do Brasil, que mantém o monitoramento em vários pontos do rio. A medida negativa ocorre em solo sul-mato-grossense, no Forte Coimbra.

Ali, nessa segunda-feira (2), o Centro de Hidrologia e Navegação do Oeste apontou o menor nível desde 23 de janeiro, quando a marca era de -23 centímetros e se recuperava de uma forte estiagem, que chegou a marca de um metro e 45 centímetros abaixo de zero, em outubro. Hoje, a marca de -26 centímetros foi alcançada no local.

No mesmo ponto, em 2 de agosto do ano passado, a marca era de 36 centímetros - ou seja, 59 centímetros a mais. Os registros feitos pela Marinha nos últimos cinco anos mostram uma queda acentuada. Nessa mesma data, em 2016, o registrado no Forte Coimbra era de 3,05 metros, contra 3,84 metros, em 2017 e 4,32 metros, em 2018.

Contudo, de 2019 em diante, o número passou a cair. Neste ano, a Marinha mediu o nível do Rio Paraguai em 2,98 metros na régua do Forte Coimbra, no dia 2 de agosto. Já se comparado a outras datas, os 23 centímetros negativos é a menor marca atingida no mês.

Nos siga no Google Notícias
Regras de comentário