ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
JUNHO, TERÇA  18    CAMPO GRANDE 31º

Meio Ambiente

Dourado está para os rios como onça para o Pantanal, compara pesquisador

Professor fala sobre a importância da preservação do dourado

Osvaldo Júnior | 08/06/2017 15:37
Dourado, considerado o troféu das águas doces (Foto: Divulgação)
Dourado, considerado o troféu das águas doces (Foto: Divulgação)
Professor e doutor em Ciências Biológicas Thomaz Lipparelli (Foto: Arquivo pessoal)
Professor e doutor em Ciências Biológicas Thomaz Lipparelli (Foto: Arquivo pessoal)

A preservação do dourado está para os rios assim como a preservação da onça pintada está para o Pantanal. A comparação é do professor universitário e doutor em Ciências Biológicas Thomaz Lipparelli.

Além de ser considerado o troféu da pescaria em águas doces, o dourado é também predador de suma importância para a estabilidade do meio ambiente, conforme o pesquisador. As declarações dele vêm depois de a Assembleia Legislativa reprovar projeto que previa a proibição da pesca da espécie.

“Quanto mais predadores mais estável fica o meio ambiente”, afirma. Lipparelli explica que a presença de predadores regula a oferta de alimentos em um ecossistema. Eles funcionam como selecionadores naturais, matando os indivíduos mais fracos.

“O dourado é um predador de topo da cadeia. É como a onça pintada em relação ao Pantanal”, comparou o biólogo, detalhando que não haveria como existir a mesma fauna pantaneira sem a presença da onça.

Lipparelli informou que não existem estudos sobre o estoque do dourado nos rios brasileiros. Mas há indicadores técnicos da retração da espécie em quantidade e tamanho, segundo o professor.

De modo didático, ele explicou que existem dois tipos de indicadores: o de sobrepesca de recrutamento e o de sobrepesca de crescimento. Isso significa que são capturados menos dourados e esses peixes são, atualmente, menores que há alguns anos. “Isso é visível. Os próprios pescadores comentam. Eles já não pegam esse peixe como antes e quando pescam, são muito menores”, disse.

Para dimensionar essa retração, Lipparelli compara a situação do Brasil com a da Argentina, onde a captura do dourado só é permitida no sistema pesque e solte. “Em Corrientes [norte da Argentina], é possível pescar dourado de 40 quilos. Aqui no Brasil chega, no máximo, a oito quilos”, exemplificou.

O especialista acrescentou que, no Brasil, há leis que proíbem a pesca da espécie em Minas Gerais, Goiás e Amazonas. “Em Mato Grosso, há projeto. Eles esperavam pela aprovação aqui em Mato Grosso do Sul para aprovarem lá também. Estavam confiantes que o projeto que proíbe a pesca do dourado seria aprovado aqui”, disse, lamentando o arquivamento pela Assembleia Legislativa.

Monitoramento – Lipparelli coordena o “Projeto Dourado”, iniciativa, em Mato Grosso do Sul, da Prefeitura de Corumbá. Segundo o pesquisador, o projeto, que também é desenvolvido no rio São Francisco sob sua coordenação, será levado para Minas Gerais.

De acordo com o professor, a proposta é desenvolver estudo de monitoramento da população do peixe dourado em rios brasileiros. Ele não adiantou detalhes, mas informou que o projeto será apresentado nesta sexta-feira (dia 9) em Corumbá. “É algo inédito no País”, finalizou.

Nos siga no Google Notícias