ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
FEVEREIRO, QUINTA  29    CAMPO GRANDE 24º

Meio Ambiente

Doutora em jacarés estima que açude seco concentre mais de 4 mil animais

Zilca Campos, que há três décadas pesquisa o tema, esteve em fazenda onde foi feito vídeo impressionante

Marta Ferreira | 19/11/2020 17:09
Parte dos animais se enterra na lama para tentar sobreviver. (Foto: Zilca Campos)
Parte dos animais se enterra na lama para tentar sobreviver. (Foto: Zilca Campos)

Bem chocante. Foi assim que a pesquisadora da Embrapa Zilca Barros definiu a situação encontrada na fazenda Palmeirinha, na região da Nhecolândia, no Pantanal sul-mato-grossense, onde jacarés se amontoam em açude quase sem água, reflexo da pior seca em décadas na região.  A situação aumenta  a mortalidade de jacarés.

Doutora em Ecologia, Zilca estuda os animais há três décadas e foi ver a situação de perto após a divulgação de vídeo no lugar, feito no dia 15 de novembro. Para sobreviver, os bichos se juntam o máximo possível, por precisar da água para controlar a temperatura do corpo. Nessa luta, parte deles morre. São milhares concentrados, identificou a doutora.

 São muitos jacarés, em torno 4 a 5 mil reunidos no mesmo açude, o qual se encontra quase seco”, estima a pesquisadora.

Diante da cena desesperadora, ofertar água é a única solução de momento. Segundo Zilca, isso já está sendo feito e essa orientação foi mantida ao proprietário da fazenda, como forma de evitar mais mortes de jacarés.

 Entenda - A explicação dada por ela para a imagem impressionante, que viralizou na internet,  remonta aos ensinamentos mais básicos sobre a natureza animal.

Os jacarés se enterram na lama do açude, mas o aquecimento das águas causa a morte”, traduz.

Segundo Zilca, ainda que com mortes registradas essa é a única chance de sobrevivência. “Os proprietários podem ajudar ofertando água nos açudes que estão secos para os jacarés possam ocupar essas áreas”, reforça.

Essa não é uma cena incomum, mas segundo a pesquisadora, as inundações têm diminuído e os ambientes aquáticos têm secado. O reflexo é direto: aumenta a mortalidade de jacarés.

Jacaré-do-Pantanal come porco-do-mato durante período de seca, em registro de ano anterior a 2020 feito pela pesquisadora na região Nhumirim. (Foto: Divulgação)
Jacaré-do-Pantanal come porco-do-mato durante período de seca, em registro de ano anterior a 2020 feito pela pesquisadora na região Nhumirim. (Foto: Divulgação)

Ela faz o alerta de que os animais podem também se refugiar na mata, além de enterrar-se na lama na lama para resistir ao período mais seco. Eles atacam outros animais para se alimentar, situação verificada em estudo anterior conduzido pela pesquisadora.

Experiência - Zilca Campos estuda o tema desde que se formou na graduação, há 30 anos.

Em estudo realizado na década de 2000, a população de jacarés identificada na região era de 3 milhões de adultos em anos de grandes cheias, entre as décadas de 80 a 90.

 A Nhecolândia, onde fica a fazenda Palmeirinha, está a distância de cinco horas da base da Embrapa na região do Nhumirim, onde Zilca trabalha. Ela parou o que fazia depois da divulgação do vídeo para ir ver de perto a situação.

Ficou combinado que vai retornar em dezembro, para nova análise e coleta de dados para pesquisas sobre os jacarés, que contribuem para conhecer o animal e ajudar na preservação do bioma.

Animal morto na região do Nhumirim, que foi alvo de pesquisa da doutora Zilca Campos. (Foto: Divulgação)
Animal morto na região do Nhumirim, que foi alvo de pesquisa da doutora Zilca Campos. (Foto: Divulgação)


Nos siga no Google Notícias