ACOMPANHE-NOS    
AGOSTO, SEGUNDA  08    CAMPO GRANDE 19º

Meio Ambiente

Nem só de jacaré vive o Lago do Amor: estudo lista 200 espécies animais no local

Guia mostra frango-d’água-azul, cuíca d’água, perereca-verde-pontilhada e a maria-faceira

Por Aline dos Santos | 22/04/2022 11:00
O frango-d’água-azul é visitante ocasional no Lago do Amor. (Foto: Reprodução/Rudi Laps)
O frango-d’água-azul é visitante ocasional no Lago do Amor. (Foto: Reprodução/Rudi Laps)

Ponto de encontro das águas dos córregos Cabaça e Bandeira, o Lago do Amor, no campus da UFMS (Universidade Federal de Mato Grosso do Sul) em Campo Grande, sempre foi destaque pela fauna, mas, agora, pesquisa identificou mais de 200 espécies de animais.

A lista vai das afamadas capivaras e o temido jacaré a nomes menos badalados, como frango-d’água-azul, cuíca d’água, perereca-verde-pontilhada e a maria-faceira.

Lago do Amor na UFMS. 
Lago do Amor na UFMS.

O professor Fernando Rogério de Carvalho, do Inbio (Instituto de Biociências), organizou manual para a identificação dos vertebrados que já foram avistados no local.

De acordo com o levantamento, são 231 espécies de animais, entre residentes e visitantes ocasionais, sendo 150 de aves, 30 de mamíferos, 23 de répteis, 19 de peixes e nove de anfíbios.

Maria-faceira é uma das aves que visita o entorno do lago da UFMS. (Foto: Reprodução)
Maria-faceira é uma das aves que visita o entorno do lago da UFMS. (Foto: Reprodução)

Segundo Carvalho, o Guia de Identificação dos Vertebrados no Lago do Amor foi construído com o objetivo principal de levar a informação correta aos estudantes e quem visita o local.

Dentre as espécies identificadas, estão aquelas já muito conhecidas, como capivaras, gatos e araras. Porém, o manual também traz animais raros e ameaçados de extinção, que dificilmente são avistados.

Marca registrada: capivaras às margens do Lago do Amor. (Foto: Reprodução/Fernando Carvalho)
Marca registrada: capivaras às margens do Lago do Amor. (Foto: Reprodução/Fernando Carvalho)

A cuíca d’água é um dos destaques entre os vertebrados existentes na UFMS, por ser uma espécie ainda pouco conhecida pela comunidade científica.

“É bastante rara, ela está categorizada como 'dados insuficientes'. A gente não conhece quase nada da história de vida desta espécie, mas temos ali no Lago do Amor. Isso mostra que conservar essa área tal como ela está, com as suas propriedades mais naturais possíveis, é de suma importância para manter a fauna”, afirma o professor.

A perereca-verde-pontilhada está entre os animais encontrados na região. (Foto: Reprodução/Diego Santana)
A perereca-verde-pontilhada está entre os animais encontrados na região. (Foto: Reprodução/Diego Santana)

Na região urbanizada, a espécie mais presente e perigosa é o homo sapiens. “Se estiver visitando uma área próxima do Lago do Amor, evite deixar o lixo. Nunca alimente os animais, seja com salgadinho ou outra comida. Eles têm toda uma história de busca do alimento na natureza e o que nós consumimos muitas vezes são processados, são alimentos danosos à saúde deles. Além disso, não destruir as árvores que protegem as margens dos córregos. São medidas simples, mas que contribuem para a conservação e manutenção dessa fauna”, orienta Carvalho.

Guia mostra que os jacarés estão entre os maiores vertebrados do Lago do Amor. (Foto: Reprodução/VL Ferreira)
Guia mostra que os jacarés estão entre os maiores vertebrados do Lago do Amor. (Foto: Reprodução/VL Ferreira)

O jacaré – Com 121 páginas, o guia mostra que os jacarés estão entre os maiores vertebrados do Lago do Amor, além de ser um dos mais admirados. O alerta é para não entrar na água. Em outubro do ano passado, um homem foi atacado ao nadar no lago.

 “Eles caçam de espreita, isso é, ficam esperando o momento certo para atacar sua presa. Eles podem confundir distúrbios na água com os movimentos de uma presa em potencial (peixe ou outro animal se debatendo, por exemplo) e assim podem investir numa possível captura de alimento, ou seja, alguns tipos de movimentos ou agitação na água podem atrair a atenção e acentuar a curiosidade dos jacarés. Dessa forma, a área do Lago do Amor, além de não ser propícia para a natação ou esportes aquáticos para pessoas de qualquer idade e de animais domésticos (i.e., cães), em decorrência da qualidade da água e profundidade do Lago, pode ser uma atividade perigosa”, informa o guia.

Animais aproveitam o sol da manhã no Lago do Amor. (Foto: Marcos Maluf)
Animais aproveitam o sol da manhã no Lago do Amor. (Foto: Marcos Maluf)

Veja o Guia de Identificação dos Vertebrados no Lago do Amor

livro 2 lago do amor.pdf

Nos siga no Google Notícias