A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Segunda-feira, 18 de Dezembro de 2017

10/02/2015 12:48

"Agiotagem" movimentou R$ 250 mil, mas não há provas contra Olarte

Michel Faustino
Advogado afirmou que ex-assessor agiu por interesse próprio. (Foto: Marcelo Calazans)Advogado afirmou que ex-assessor agiu por interesse próprio. (Foto: Marcelo Calazans)

O MPE (Ministério Público Estadual) tem provas documentais de que o ex-assessor da prefeitura, Ronan Feitosa, captou R$ 250 mil em cheques no suposto esquema de agiotagem. A informação é do advogado Jail Benitez Azambuja, da defesa de Gilmar Olarte (PP), que destacou não ter provas contra o prefeito. O Gaeco ( Grupo de Atuação Especial e Repressão ao Crime Organizado) aponta que o suposto esquema movimentou R$ 980 mil.

Conforme o advogado, os cheques anexados ao processo são de valores distintos e chegam a R$ 10 mil. “São cheques de R$ 700, R$ 1.000, alguns de R$ 5 mil a 10 mil. São esses valores”, disse.

As lâminas mais recentes, segundo ele, são de julho de 2013 e as mais antigas, de novembro de 2012, portanto de período anterior ao começo do processo de cassação de Alcides Bernal (PP), que se deu em 15 de outubro com a aprovação da Comissão Processante da Câmara de Campo Grande.

Segundo Azambuja, Ronan trocava cheques de terceiros e prometia vantagens dentro da prefeitura. De acordo com o advogado, não foi comprovado que as promessas foram concretizadas.

Ele reitera que o próprio Feitosa negou, peremptoriamente, em seu depoimento, que fosse do conhecimento de Gilmar Olarte, o ‘uso’ de seu nome; negou, também, no seu depoimento, que o prefeito tivesse recebido qualquer vantagem decorrentes dos empréstimos.

"Ele agiu por interesse próprio e se utilizava do nome da prefeitura para isso. Mas, ele mesmo afirmou que Olarte não tinha participação nisso", disse.

Questionado se o progressista tinha conhecimento sobre as ações de Ronan, o advogado afirmou que o fato motivou a procura do atual secretário de Governo, Rodrigo Pimentel, foi apenas para orientação.

"Ele (Olarte) procurou o Pimentel justamente nessa época para ver o que poderia fazer. E por isso ele foi inserido nesse processo", declarou.

Por fim, Azambuja lamentou a forma de condução do processo pelo Ministério Público e afirmou que o processo não tem consistência.

A denúncia foi feita e, agora, é analisada pelo Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul. O relator é o desembargador Luís Carlos Bonassini.



Eu só sei uma coisa, quem sabe e omite é cumplice, pelo menos em todo o tipo de crime funciona assim, agora como é com o prefeito, não sei como vai ser a consequencia...
 
Max em 10/02/2015 17:05:38
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions