ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
FEVEREIRO, SEGUNDA  26    CAMPO GRANDE 30º

Política

Advogado de Puccinelli quer que Marco Aurélio decida sobre habeas corpus

Ministro havia decidido liminarmente, em 2016, pela liberdade de João Amorim e Edson Giroto e, conforme Cezar Bitencourt, deve ser responsável por analisar o pedido de liberdade

Humberto Marques | 01/08/2018 15:59
Advogado afirma que Marco Aurélio foi o primeiro ministro para quem, por prevenção, foi distribuído habeas corpus da Lama Asfáltica. (Foto: Carlos Moura/SCO/STF)
Advogado afirma que Marco Aurélio foi o primeiro ministro para quem, por prevenção, foi distribuído habeas corpus da Lama Asfáltica. (Foto: Carlos Moura/SCO/STF)

A defesa do ex-governador André Puccinelli (MDB) quer que seu pedido de habeas corpus no STF (Supremo Tribunal Federal) seja distribuído para o ministro Marco Aurélio Mello, o primeiro magistrado da Corte a julgar ações referentes à Operação Lama Asfáltica. A informação partiu do advogado Cezar Bitencourt, que defendeu o ex-governador e os advogados André Puccinelli Junior e João Paulo Calves, presos desde 20 de agosto a pedido do MPF (Ministério Público Federal) no corpo da operação Papiros de Lama.

Marco Aurélio foi o ministro para quem, em junho de 2016, foi distribuído um primeiro habeas corpus no STF relacionado à Lama Asfáltica. Nele, o empresário João Alberto Krampe Amorim dos Santos e o ex-secretário de Obras do Estado, Edson Giroto, entre outros suspeitos, conseguiram liminarmente a liberdade. No mérito da questão, porém, o voto de Mello acabou vencido na 1ª Turma do Supremo, que seguiu a tese do também ministro Alexandre de Moraes em março deste ano e considerou haver motivos para Giroto e Amorim voltarem a ser presos.

Originalmente, na terça-feira (31), o recurso de Puccinelli ao STF foi distribuído ao ministro Dias Toffoli por prevenção –quando o juiz, desembargador ou ministro se torna competente para avaliar qualquer processo referente a um caso concreto, no caso, a Lama Asfáltica, que já teve um recurso distribuído a Toffoli.

No entanto, a Secretaria Judiciária da Corte apontou que teria ocorrido um equívoco: a ação deveria ter sido encaminhada a Alexandre de Moraes. O caso foi remetido à presidente do Supremo, Cármen Lúcia, de quem se espera uma decisão sobre quem deve analisar o habeas corpus.

Pedido de liberdade foi originalmente encaminhado a Toffoli. (Foto: Carlos Moura: SCO/STF)
Pedido de liberdade foi originalmente encaminhado a Toffoli. (Foto: Carlos Moura: SCO/STF)
Secretaria Judiciária, porém, admitiu erro e tentou enviar caso para Moraes. (Foto: Rosinei Coutinho/SCO/STF)
Secretaria Judiciária, porém, admitiu erro e tentou enviar caso para Moraes. (Foto: Rosinei Coutinho/SCO/STF)

É onde está a controvérsia levantada pela defesa de Puccinelli. Ao Campo Grande News, Bitencourt destacou que Marco Aurélio foi o ministro que originalmente começou a julgar processos da Lama Asfáltica, havendo conexão entre o habeas corpus por ele assinado e o movido por João Amorim.

“Houve a distribuição para o ministro Toffoli e, depois, a Secretaria (Judiciária) informou que se equivocou. Fiz outra petição em cima dessa informação: se a distribuição é por prevenção, então, a ação deve seguir para o ministro Marco Aurélio, porque o habeas corpus foi o relator por prevenção. O relator do acórdão seria o ministro Alexandre de Moraes, porque o voto do ministro Marco Aurélio foi vencido, mas este segue como relator prevento”, explicou o defensor.

Normal – Cezar Bitencour também considerou “normal” a manifestação, por prevenção, da procuradora-geral da República Raquel Dodge, que “diante da gravidade do caso” se antecipou no habeas corpus e opinou pela manutenção da prisão de Puccinelli, Puccinelli Junior e Calves. Ela lembrou que o TRF-3 (Tribunal Regional Federal da 3ª Região) e o STJ (Superior Tribunal de Justiça) já rejeitaram o mesmo pedido.

“Foram considerados fatos como a descoberta de que, mesmo quando estavam sujeitos a cautelares diversas da prisão, os investigados praticaram crimes, com destaque para a lavagem de dinheiro. Também foi identificada movimentação dos envolvidos com o propósito de ocultar provas”, diz nota da PGR sobre o caso.

“É o papel do Ministério Público, não há inconvenientes quanto a isso”, considerou Bittencourt, que reforçou aguardar a decisão de Cármen Lúcia sobre suas alegações –as quais confirmou ter anexado novos argumentos na comparação com o processo aberto no STJ, não detalhados à reportagem.

Decisão sobre distribuição caberá à presidente do Supremo, Cármen Lúcia. (Foto: Nelson Jr./SCO/STF)
Decisão sobre distribuição caberá à presidente do Supremo, Cármen Lúcia. (Foto: Nelson Jr./SCO/STF)

Puccinelli e seu filho estão presos no Centro de Triagem Anizio Teixeira, enquanto Calves ocupa a sala de Estado-Maior no Presídio Militar (uma prerrogativa para advogados, a qual Puccinelli Junior abriu mão para ficar com o pai). Os três foram alvo de pedido de prisão por “garantia à ordem pública”, acatado pela 3ª Vara Federal da Capital, e diante do surgimento de supostas novas provas sobre o uso do Instituto Ícone para práticas como recebimento de propinas e lavagem de dinheiro.

O MPF sustenta que, embora tenha sido registrado no nome de Calves, o Ícone pertenceria a Puccinelli Junior, recebendo recursos advindos de propinas destinadas a integrantes da gestão estadual anterior.

Preso, Puccinelli recuou do projeto de disputar o governo do Estado, indicando a senadora Simone Tebet como nome do MDB à sucessão estadual.

Nos siga no Google Notícias