ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
ABRIL, QUARTA  17    CAMPO GRANDE 22º

Política

Aliados lembram que elegeram Trad até 2012, mas estão prontos para sair

Wendell Reis | 03/12/2011 18:47
Presidente da Funesp acredita que demissões deveriam ocorrer apenas em março e lembra que PMDB nem escolheu candidato(Foto: Arquivo/Campo Grande News)
Presidente da Funesp acredita que demissões deveriam ocorrer apenas em março e lembra que PMDB nem escolheu candidato(Foto: Arquivo/Campo Grande News)

Os aliados ao prefeito Nelson Trad Filho (PMDB) afirmam que a saída de seus filiados dos cargos ocupados no primeiro escalão da Prefeitura Municipal de Campo Grande depende exclusivamente da vontade do prefeito, que é o responsável pelo cargo. Entretanto, afirmam que as candidaturas de seus partidos estão lançadas e não devem ser retiradas por conta dos cargos.

O diretor-presidente da Funesp (Fundação Municipal do Esporte) e presidente municipal do PSDB em Campo Grande, Carlos Alberto de Assis, lembra que a carta de demissão de todos os secretários está assinada desde quando o prefeito ameaçou demitir todo o primeiro escalão. Desta maneira, cabe a Trad decidir quando trocar:

“A hora que ele pedir nós vamos sair. Não tem problema nenhum. O cargo é do prefeito e ele tira a hora que quiser. O PSDB ajudou a elegê-lo até 2012, mas se acha que não é conveniente tem que tirar”. Assis entende que o prazo ideal para a troca é no mês de março, quando normalmente costuma-se exonerar os interessados em concorrer as eleições: “Mesmo porque eles não têm nem candidato definido”, alfinetou.

Assis revela que o presidente estadual do PSDB e pré candidato a prefeitura de Campo Grande, Reinaldo Azambuja, deve definir a situação do partido com o prefeito ainda neste mês. Entretanto, ele já deve se reunir com Azambuja neste fim de semana para definir a situação.

O pré-candidato a prefeitura de Campo Grande pelo PPS, vereador Athayde Nery, afirma que a hora que o prefeito decidir, os secretários vão deixar as pastas, ressaltando que já estão avisados. Ele lembra que o partido tem uma pré-candidatura e se isso significar que devem retirar os cargos, não terá nenhum problema. “Para nós, independe. Estamos com o Nelsinho nesta administração e para a próxima estamos discutindo”.

O Campo Grande News também procurou o secretário da Emha (Empresa Municipal de Habitação), Paulo Matos, e o presidente estadual do PP, deputado Alcides Bernal, mas não conseguiu contato. Matos ocupa a secretaria, mas Bernal já declarou que o partido deveria deixar a pasta. Ambos vivem em conflito dentro do PP. Enquanto Matos defende aliança com Trad, Bernal quer ser candidato no grupo de oposição a atual administração.

Trad declarou na manhã de ontem (2) que além da saída da primeira-dama Maria Antonieta da função de secretária, a Prefeitura pode ter mais mudanças até o fim do ano nos cargos ocupados por integrantes de partidos que podem não estar ao lado do PMDB nas eleições de 2012. Ao falar da saída, o prefeito afirmou que o tempo de adaptação de um secretário ou presidente de fundação é de no mínimo 90 dias, o que justificaria a antecipação.

O PSDB tem hoje a Secretaria de Educação, ocupada por Maria Cecília Amêndola e a Funesp, presidida por Carlos Alberto de Assis. Já o PPS tem como secretários Luiza Ribeiro, que preside a Funsat (Fundação Social do Trabalho) e Roberto Figueiredo, diretor-presidente da Fundação de Cultura.

No dia 17 de junho deste ano o prefeito fez todos os secretários assinarem uma carta de demissão. Na ocasião ele afirmou que os secretários estavam "desleixados, acomodados e descompromissados" com a prefeitura da Capital. O prefeito chegou a declarar que não tinha tempo para testar secretários e cobrou a fidelidade dos aliados.

“Quem é base. Quem é fiel, tem que ser base e ser fiel. De outro jeito pra mim não serve. Eles que vão criticar na oposição. Eles não podem fazer parte de um governo e criticar o governo que eles fazem parte. Que é isso? Eles estão criticando os próprios indicados pelo partido deles ? Isso não justo”, desabafou a época.

Nos siga no Google Notícias