A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Terça-feira, 12 de Dezembro de 2017

03/12/2011 18:47

Aliados lembram que elegeram Trad até 2012, mas estão prontos para sair

Wendell Reis
Presidente da Funesp acredita que demissões deveriam ocorrer apenas em março e lembra que PMDB nem escolheu candidato(Foto: Arquivo/Campo Grande News)Presidente da Funesp acredita que demissões deveriam ocorrer apenas em março e lembra que PMDB nem escolheu candidato(Foto: Arquivo/Campo Grande News)

Os aliados ao prefeito Nelson Trad Filho (PMDB) afirmam que a saída de seus filiados dos cargos ocupados no primeiro escalão da Prefeitura Municipal de Campo Grande depende exclusivamente da vontade do prefeito, que é o responsável pelo cargo. Entretanto, afirmam que as candidaturas de seus partidos estão lançadas e não devem ser retiradas por conta dos cargos.

O diretor-presidente da Funesp (Fundação Municipal do Esporte) e presidente municipal do PSDB em Campo Grande, Carlos Alberto de Assis, lembra que a carta de demissão de todos os secretários está assinada desde quando o prefeito ameaçou demitir todo o primeiro escalão. Desta maneira, cabe a Trad decidir quando trocar:

“A hora que ele pedir nós vamos sair. Não tem problema nenhum. O cargo é do prefeito e ele tira a hora que quiser. O PSDB ajudou a elegê-lo até 2012, mas se acha que não é conveniente tem que tirar”. Assis entende que o prazo ideal para a troca é no mês de março, quando normalmente costuma-se exonerar os interessados em concorrer as eleições: “Mesmo porque eles não têm nem candidato definido”, alfinetou.

Assis revela que o presidente estadual do PSDB e pré candidato a prefeitura de Campo Grande, Reinaldo Azambuja, deve definir a situação do partido com o prefeito ainda neste mês. Entretanto, ele já deve se reunir com Azambuja neste fim de semana para definir a situação.

O pré-candidato a prefeitura de Campo Grande pelo PPS, vereador Athayde Nery, afirma que a hora que o prefeito decidir, os secretários vão deixar as pastas, ressaltando que já estão avisados. Ele lembra que o partido tem uma pré-candidatura e se isso significar que devem retirar os cargos, não terá nenhum problema. “Para nós, independe. Estamos com o Nelsinho nesta administração e para a próxima estamos discutindo”.

O Campo Grande News também procurou o secretário da Emha (Empresa Municipal de Habitação), Paulo Matos, e o presidente estadual do PP, deputado Alcides Bernal, mas não conseguiu contato. Matos ocupa a secretaria, mas Bernal já declarou que o partido deveria deixar a pasta. Ambos vivem em conflito dentro do PP. Enquanto Matos defende aliança com Trad, Bernal quer ser candidato no grupo de oposição a atual administração.

Trad declarou na manhã de ontem (2) que além da saída da primeira-dama Maria Antonieta da função de secretária, a Prefeitura pode ter mais mudanças até o fim do ano nos cargos ocupados por integrantes de partidos que podem não estar ao lado do PMDB nas eleições de 2012. Ao falar da saída, o prefeito afirmou que o tempo de adaptação de um secretário ou presidente de fundação é de no mínimo 90 dias, o que justificaria a antecipação.

O PSDB tem hoje a Secretaria de Educação, ocupada por Maria Cecília Amêndola e a Funesp, presidida por Carlos Alberto de Assis. Já o PPS tem como secretários Luiza Ribeiro, que preside a Funsat (Fundação Social do Trabalho) e Roberto Figueiredo, diretor-presidente da Fundação de Cultura.

No dia 17 de junho deste ano o prefeito fez todos os secretários assinarem uma carta de demissão. Na ocasião ele afirmou que os secretários estavam "desleixados, acomodados e descompromissados" com a prefeitura da Capital. O prefeito chegou a declarar que não tinha tempo para testar secretários e cobrou a fidelidade dos aliados.

“Quem é base. Quem é fiel, tem que ser base e ser fiel. De outro jeito pra mim não serve. Eles que vão criticar na oposição. Eles não podem fazer parte de um governo e criticar o governo que eles fazem parte. Que é isso? Eles estão criticando os próprios indicados pelo partido deles ? Isso não justo”, desabafou a época.



Meio estranho isto né ! O cara assinou a carta de demissão e continua trabalhando.
O detentor de cargo público de confiança, tem que entender que a autoridade, seja ela o Prefeito, ou o que for, não demite, aguarda que o outro peça demissão.
Enfim, o PSDB deve sim lancar candidato a Prefeito no proximo ano, assim, nos eleitores e moradores de Campo Grande, teremos mais opções de escolhas.
 
Reinaldo Sandm em 04/12/2011 11:17:53
Secretariado pode ter mudança este mês em razão das eleições, afirma Trad
Integrantes de legendas que hoje são aliadas do PMDB, mas que podem ser adversárias em 2012, foram orientados a deixar cargos, segundo prefeitoAlém ...
Secretários evitam criticar demissões impostas por Nelsinho
Chamados pelo prefeito Nelsinho Trad de "desleixados, acomodados e descompromissados", os secretários municipais não quiseram fazer críticas públicas...
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions