ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
FEVEREIRO, SEXTA  23    CAMPO GRANDE 26º

Política

Após ler entrevista com denúncia, ministro ameaça processar ex-chefe do Ibama/MS

Segundo Marchetti, a resposta de Ricardo Salles veio por aplicativo e resumida a uma frase: “Vou te processar”

Aline dos Santos | 24/02/2021 12:20
"Até já deletei e bloqueei o ministro. Não tenho preocupação com isso", diz Marchetti, exonerado do comando do Ibama. (Foto: Henrique Kawaminami)
"Até já deletei e bloqueei o ministro. Não tenho preocupação com isso", diz Marchetti, exonerado do comando do Ibama. (Foto: Henrique Kawaminami)

O ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, reagiu à entrevista do ex-superintendente do Ibama em MS  (Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis), Luiz Carlos Marchetti, ao Campo Grande News.

Ao jornal, o ex-gestor, que foi oficialmente exonerado ontem (dia 23), expôs as entranhas de uma administração pública que se preocupa mais em acomodar aliados do ministro, majoritariamente policiais militares de São Paulo, a proteger o meio ambiente no Estado onde fica o Pantanal, maior planície alagável do mundo.

“O que está acontecendo é uma coisa sórdida. Um policial militar lá de dentro pediu minha vaga e a sequência disso foi uma política equivocada do ministro, que mobiliou todo o Ibama”, disse Marchetti.

Segundo o coronel, a resposta do ministro veio por aplicativo no WhatsApp e resumida a uma frase: “Vou te processar”. Ele conta que respondeu “à vontade”.

“Até já deletei e bloqueei o ministro. Não tenho preocupação com isso. Tudo que falei é pura verdade. Não estou irritado por ter sido exonerado. O pano de fundo são os problemas graves que acontecem no Ibama. Estou expondo as mazelas para a sociedade”, diz Marchetti.

De acordo com o ex-superintendente, o ministro Ricardo Salles criou as audiências de conciliação, importando um modelo que adotou em São Paulo, onde foi secretário de Meio Ambiente. A questão é que a iniciativa, até vista como uma boa ideia, não saiu do papel e as multas não são pagas.

“As audiências não aconteceram. Os autos de infração a partir de 8 de outubro de 2019 não foram instruídos”, afirma Marchetti. Ele calcula que são 200 procedimentos represados. Após a multa, os documentos vão para o Ministério do Meio Ambiente, em Brasília. “O superintendente não fica nem sabendo. Vai para Brasília, onde deveria ser feito um pacote para conciliação”, diz.

“Nem sabe onde é o Pantanal” – O tenente-coronel aposentado da PM (Polícia Militar) de São Paulo, Carlos de Oliveira Guandalim, foi nomeado hoje para comandar o Ibama em Mato Grosso do Sul. “Está caindo de paraquedas. Não sabe onde é o Pantanal. Leva uns 20 anos e ele aprende um pouco”, diz Marchetti.

Nesta quarta-feira, o ex-superintendente ainda colhe os impactos das declarações. “Tem pessoas me ligando, pessoas detonando, o ministro P da vida. Mas sou apartidário, detesto política, meu   partido é o Brasil”.

As reações rompidas com o governo federal não se estendem ao presidente Jair Bolsonaro (sem partido). Ele acredita que o presidente não tenha se ocupado da nomeação para o Ibama, cargo de terceiro escalão, mas possa ter conhecimento do ocorrido devido à repercussão nacional. “Mas ele me conhece bem. Estudamos junto por quatro anos na Academia Militar das Agulhas Negras”.

Marchetti assumiu a superintendência do Ibama no dia 17 de junho de 2019 e enfrentou dois anos críticos em Mato Grosso do Sul, quando grandes incêndios atingiram  Pantanal.

No ano passado, o fogo consumiu 30% do território do bioma, o que representa 4,4 milhões de hectares, conforme dados do Laboratório de Aplicações de Satélites Ambientais da UFRJ (Universidade Federal do Rio de Janeiro).

O Campo Grande News solicitou posicionamento do Ministério do Meio Ambiente sobre a paralisia das audiências de conciliação e aguarda retorno.

Nos siga no Google Notícias