ACOMPANHE-NOS    
SETEMBRO, QUARTA  23    CAMPO GRANDE 27º

Política

Assembleia aprova em 1ª votação reforma da Previdência dos servidores

Texto ainda será encaminha para 2ª votação, possivelmente já na sessão desta quinta-feira

Por Anahi Zurutuza e Leonardo Rocha | 22/11/2017 11:29
Sessão desta quarta-feira da ALMS, quando projeto de reforma previdenciária foi aprovada em 1ª votação (Foto: Leonardo Rocha)
Sessão desta quarta-feira da ALMS, quando projeto de reforma previdenciária foi aprovada em 1ª votação (Foto: Leonardo Rocha)

Com 15 votos favoráveis e 4 contra, a Assembleia Legislativa aprovou em primeira votação a reforma da Previdência dos Servidores do Estado de Mato Grosso do Sul. Se aprovada em 2ª votação, que pode ocorrer já na sessão desta quinta-feira (23), servidores passaram a ter descontados 14% de contribuição previdenciária a partir de maio de 2020.

Os quatro votos contrários são de deputados estaduais que compõem a bancada do PT, que reclamaram do pouco diálogo do governo com as categorias de servidores estaduais antes da aprovação, considerada pelos mesmos “a toque de caixa”.

Deputados que votaram a favor do projeto enviado pelo Executivo estadual foram vaiados por sindicalistas e integrantes do Fórum dos Servidores Estaduais. Os manifestantes não economizaram no protesto e chegaram a jogar moedas no plenário, sendo que algumas delas atingiram o deputado estadual Beto Pereira (PSDB), relator da proposta na Comissão de Constituição e Justiça.

A segurança precisou ser reforçada e homens fizeram um cordão entre a plateia e o espaço onde ficam os parlamentares (veja o vídeo no fim da matéria).

Mudanças – O texto que ainda será pautado para 2ª votação em plenário sofreu duas grandes alterações, propostas por um grupo de deputados estaduais e que estão dentro do conjunto de 24 emendas apresentadas por eles após negociação com o governo.

A primeira delas “parcela” o aumento do percentual de desconto salarial para a contribuição previdenciária obrigatória. Por mês, servidores ativos terão descontados 14% dos salários só a partir de maio de 2020, mas a partir de maio de 2018, o desconto, que era de 11%, já subirá para 12% e para 13% a partir de maio de 2019.

Já o percentual de desconto patronal – contrapartida de recolhimento tirada dos cofres estaduais, no caso – sobe de 22% para 24% em maio de 2018 e chega em 25% em maio de 2019.

Outra grande mudança no projeto está na emenda que dá 365 dias para o governo leiloar imóveis que pertencem ao antigo Previsul, o plano de previdência dos servidores estaduais extinto há 17 anos. A medida será uma forma de arrecadar recursos para o fundo previdenciário.

Segundo deputados, a emenda compensará a exigência do governo de unificar os dois fundos existente – um deficitário e o outro superavitário em R$ 400 milhões.

A fusão é combatida pelos sindicatos sob a alegação que no futuro, o fundo que tinha superavit – onde estão armazenados recursos das previdências dos servidores contratados a partir de 2012 – sofrerá um rombo em pouco tempo.

Votação – Votaram com o governo as bancadas do PMDB - Eduardo Rocha, Renato Câmara, Antonieta Amorim, Paulo Siufi, Márcio Fernandes –, PSDB – Beto Pereira, Maurício Picarelli, Rinaldo Modesto, Felipe Orro, Enelvo Feline e Mara Caseiro – e também os deputados Coronel David (PSC), Herculano Borges (SD), Paulo Corrêa (PR), Zé Teixeira (DEM).

Foram contra a reforma os deputados Amarildo Cruz, João Grandão, Cabo Almi e Pedro Kemp.

Veja o vídeo do protesto: