A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sexta-feira, 25 de Maio de 2018

16/04/2015 13:50

Câmara derruba veto e exige lista de espera de pacientes por cirurgia

Kleber Clajus
No placar da única votação do dia, 16 vereadores foram favoráveis a derrubada do veto (Foto: Kleber Clajus)No placar da única votação do dia, 16 vereadores foram favoráveis a derrubada do veto (Foto: Kleber Clajus)

A Prefeitura de Campo Grande será obrigada a listar o nome de pacientes que aguardam consultas com especialistas, exames e cirurgias, após os vereadores derrubarem veto do prefeito Gilmar Olarte (PP). Este ainda foi o único projeto de lei apreciado, nesta quinta-feira (16), diante de obstrução de pauta de uma oposição que cobra reabertura de diálogo sobre débitos na cultura.

Os únicos votos contrários a queda do veto foram do líder do prefeito, Edil Albuquerque (PMDB), e de Loester Nunes (PMDB). Eles utilizaram como justificativa o fato da Sesau (Secretaria Municipal de Saúde) admitir “não dispor de condições técnicas e de aporte de recursos humanos, no momento, para atender ao mesmo, necessitando para tanto, de total reestruturação processual.”

Edil ainda relembrou que o Gisa (Gerenciamento de Informações em Saúde) seria a ferramenta “ideal” para interligar as informações entre as unidades de saúde e demonstrar integralidade da fila de espera. Contudo, o sistema não foi concluído e exige hoje restituição de investimento federal de R$ 14,8 milhões da Prefeitura ao Ministério da Saúde. O caso ainda foi alvo de auditoria da CGU (Controladoria Geral da União) e investigação de CPI (Comissão Parlamentar de Inquérito) na Assembleia Legislativa.

Carlos Augusto Borges, o Carlão (PSB), rebateu que a listagem por ele proposta tem por objetivo assegurar transparência nos atendimentos de saúde e mensurar áreas em que se faz necessário reforço de investimento.

Já Thaís Helena (PT), que lidera a bancada de oposição, se disse surpresa com a citação do Gisa e indicativo de que a lei pode ficar somente no papel.

No placar da única votação do dia, 16 vereadores foram favoráveis a derrubada do veto. Isso possibilita que, caso o prefeito não se posicione em 15 dias, a lei seja sancionada pela Mesa Diretora da Câmara.

Em pauta – Outro veto, com consenso para manutenção, previa parcelamento em quatro vezes do ITBI (Imposto de Transmissão de Bens Imóveis Inter-Vivos), porém não foi apreciado porque os autores não estavam no Plenário.

Sete projetos do Prodes (Programa de Incentivos para o Desenvolvimento Econômico e Social) também foram deixados para a próxima semana diante de posicionamento da oposição em não votar projetos do Executivo até que este retorne o diálogo com artistas locais sobre o pagamento de projetos aprovados para acessar recurso do Fmic (Fundo Municipal de Investimentos Culturais) e Fomteatro (Fundo Municipal de Teatro).

Por outro lado, Paulo Pedra (PDT) sugeriu reunião com empresários a serem beneficiados com doação de área e incentivos fiscais para a próxima quarta-feira (22), às 16h, na Câmara Municipal. A intenção é tirar dúvidas sobre os empreendimentos para, posteriormente, se estruturar acordo para votar as propostas do Prodes.

Presidente do Senado convoca líderes para decidir votação de isenção do diesel
Em meio ao calendário complicado e com a continuidade da paralisação dos caminhoneiros, o presidente do Senado, Eunício Oliveira (MDB-CE), convocou u...
Deputado quer interferência do governo para que caminhoneiros “abram exceções”
Para o deputado estadual Renato Câmara (MDB), está na hora do Governo de Mato Grosso do Sul intervir e pedir de caminhoneiros “abram exceções” nos po...


imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions