A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sábado, 16 de Dezembro de 2017

10/06/2014 19:21

Câmara economizará R$ 7 milhões para manter gratuidades nos ônibus

Josemil Arruda
Dinheiro economizado pela Câmara vai compor tundo municipal Dinheiro economizado pela Câmara vai compor tundo municipal

Os 29 vereadores da Câmara de Campo Grande selaram compromisso de economizar este ano R$ 7 milhões do duodécimo, verba mensal que custeia suas despesas, a fim de assegurar a manutenção das gratuidades no transporte coletivo. O dinheiro será usado para subsidiar esses gastos e assim impedir majoração do preço da passagem de ônibus, conforme anunciou hoje o vereador Eduardo Romero (PT do B), durante a sessão ordinária desta terça-feira (10).

“Esse gesto da Câmara Municipal é mais uma iniciativa para garantir que as propostas aprovadas nesta Casa saiam do discurso. Com os cerca de R$ 7 milhões do duodécimo o Executivo não poderá alegar falta de recursos para o Fundo que subsidia as gratuidades e fatalmente poderemos exigir a redução da tarifa, aliviando assim o bolso dos usuários do transporte coletivo de Campo Grande”, afirmou Eduardo Romero.

No ano passado, observou Romero, a Câmara aprovou dois projetos autorizativos para incentivar a prefeita manter o direito adquirido das gratuidades sem onerar a população paga passagem de ônibus ao preço integral. Lembrou que o Fundo Municipal do Transporte Coletivo e o Conselho Municipal foram criados com a finalidade de garantir que 100% das gratuidades sejam subsidiadas até 2017, levando o valor da tarifa para R$ 1,95.

Hoje 13 categorias desfrutam de gratuidades, entre elas idosos, portadores de necessidades especiais, policiais militares e carteiros. As gratuidades representam cerca de 27% no valor da tarifa de ônibus, atualmente custeados pela fatia pagante de usuários do Sistema Municipal de Transporte.

Esta não é a primeira vez que a Câmara economiza recursos e devolve para a Prefeitura de Campo Grande. No ano passado, por exemplo, os vereadores economizaram cerca de R$ 8 milhões e devolveram com o propósito de que o dinheiro fosse utilizado para a desapropriação do prédio alugado pela Câmara, na Rua Ricardo Brandão.

A Lei Orgânica do Município (LOM) estabelece que os recursos do duodécimo que sobram devem ser anualmente devolvidos para o Executivo Municipal. Contudo, segundo Eduardo Romero, a Câmara de Campo Grande é a primeira entre as mais de 5.500 cidades do país a adotar tal procedimento.

 



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions