ACOMPANHE-NOS    
JANEIRO, QUARTA  19    CAMPO GRANDE 30º

Política

Campo Grande cai seis posições e fica em 99º no ranking de competitividade

Indicador avalia cidades de todo o País para ajudar líderes polítcos na gestão pública

Por Gabriela Couto | 23/11/2021 12:39
Rua 14 de Julho, região central de Campo Grande. (Foto: Gabriel Marchese)
Rua 14 de Julho, região central de Campo Grande. (Foto: Gabriel Marchese)

Campo Grande caiu seis posições no Ranking de Competitividade dos Municípios de 2021. Os números divulgados nesta segunda-feira (22) pelo CLP (Centro de Liderança Pública), deixaram a Capital em 99º lugar do País e detalhou as áreas que o município melhorou e piorou em relação ao levantamento do ano passado. Confira toda a pesquisa clicando aqui.

Com o objetivo alcançar um entendimento mais profundo dos 27 estados, o ranking cria uma ferramenta simples e objetiva para pautar a atuação dos líderes públicos brasileiros na melhoria da competitividade e da gestão pública dos seus Estados.

Também teve queda de nove posições quando foi analisado o funcionamento da máquina pública. Campo Grande agora ocupa a 14ª posição neste quesito. Mas também teve melhorias. A Capital subiu duas colocações, ficando em 48º quando o assunto era inovação e dinamismo econômico. E surpreendeu em saneamento, subindo 68 lugares e registrando a 89ª posição do ranking.

Se o capital humano subiu cinco posições, por outro lado, teve queda de oito lugares quando avaliado o acesso à educação. A qualidade de saúde melhorou em seis posições, mas a inserção econômica do município despencou 24 lugares.

Dentre os desafios que a Capital enfrenta, apenas a segurança representou melhor posicionamento em relação a 2020. No entanto, pioraram os indicadores de meio ambiente, telecomunicações, acesso a saúde, qualidade da educação e sustentabilidade fiscal.

Na colocação geral das cidades avaliadas da região Centro-Oeste, Campo Grande ficou em terceiro lugar. Atrás de Três Lagoas e Goiânia (GO). A reportagem procurou o secretário municipal de Finanças e Planejamento, Pedro Pedrossian Neto, para comentar os números. Mas ele preferiu não se pronunciar por não saber a forma que a pesquisa foi realizada.

Nos siga no Google Notícias
Regras de comentário