A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quarta-feira, 12 de Dezembro de 2018

09/08/2012 11:59

Com jeito de campanha, saúde mobiliza debate na Assembleia

Fabiano Arruda
Deputado Pedro Kemp levantou assunto e foi seguido de discursos inflamados de outros parlamentares. (Foto: Divulgação)Deputado Pedro Kemp levantou assunto e foi seguido de discursos inflamados de outros parlamentares. (Foto: Divulgação)

A máxima popular de que saúde vira prioridade só em época de campanha deu mais um passo para deixar de ser ditado e virar constatação nesta quinta-feira.

O tema centralizou os debates e durou quase duas horas na sessão de hoje na Assembleia Legislativa.

A questão foi levantada pelo deputado estadual Pedro Kemp (PT), que ocupou a tribuna para criticar a crise dos profissionais de cardiologia na Santa Casa.

Segundo ele, por conta da falta de repasse de cerca de R$ 70 mil para pagamento de plantões, pelo menos 15 profissionais não atendem a ala no hospital.

Foi o suficiente para inflamar os discursos na Casa de Leis. O deputado Alcides Bernal, candidato do PP à Prefeitura de Campo Grande, foi um dos mais exaltados.

Ocupou o microfone para pedir investigação no setor em Mato Grosso do Sul, fez duras críticas ao governador André Puccinelli (PMDB) e ao prefeito de Campo Grande, Nelsinho Trad (PMDB), e sugeriu até a criação de uma CPI (Comissão Parlamentar de Inquérito) para identificar “qual é o ralo” por onde escorre a verba destinada à Saúde.

Além disso, definiu como “tapar o sol com a peneira” a justificativa de que o problema é nacional. “Temos é que resolver a questão local”.

Em resposta, o líder do governo na Assembleia, Junior Mochi (PMDB), reconheceu a deficiência do serviço em todos os municípios do Estado, no entanto, retrucou o progressista.

Cobrou que as acusações viessem acompanhadas de prova “determinante” para justificar a abertura de uma CPI e acusou Bernal de utilizar o tema como fins políticos em meio à campanha eleitoral.

Para Kemp, falta ao Governo do Estado deixar sua marca na Saúde. “Este governo gosta de asfaltar”. Outro petista, Cabo Almi, que é vice de Vander Loubet à Prefeitura de Capital, também criticou a situação. “Se a superlotação dos hospitais não é fato determinante, não sei o que é”, revidou.

Esgotado o tempo regimental dos 30 minutos utilizados por Kemp, os deputados Lauro Davi (PSB), Zé Teixeira (DEM) e Mara Caseiro (PTdoB), utilizaram seus tempos para prolongar o debate.

Em seu discurso, Davi pregou inversão de prioridade no setor: ao invés de mais UTIs ou investimento em infraestrutura, cobrou foco na contratação de profissionais.

Teixeira preferiu atribuir o problema à esfera federal e afirmou que o governo Dilma não pode culpar o fim da CPMF, imposto extinto que era destinado à Saúde, como responsável pelo problema. “A arrecadação federal bateu R$ 28 bilhões. Não falta dinheiro, falta vontade".

Caseiro, por sua vez, afirmou estar cansada de “falácias” e que a os deputados precisam sair dos discursos e encontrar soluções efetivas para o problema.

Para HR e HU, greve de cardiologistas não impacta atendimento
A direção dos outros dois hospitais que realizam atendimento emergencial de pacientes com problemas cardíacos informa que a greve dos cardiologistas ...
Santa Casa está sem atendimento cardiológico no Pronto-Socorro
Plantão nunca funcionou como prevê portaria do Ministério da SaúdeA Santa Casa de Campo Grande está há cinco dias sem atendimento cardiológico no Pr...


imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions