ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
ABRIL, QUARTA  17    CAMPO GRANDE 24º

Política

Com receio de fracasso, presidente da Assembleia sugere copiar exemplo de MS

Gerson Claro vê no programa estadual de concessão é modelo a ser seguido

Jéssica Benitez | 24/03/2023 11:40
Gerson Claro, presidente da Assembleia Legislativa, manifestou preocupação com BR-163 (Foto Assessoria)
Gerson Claro, presidente da Assembleia Legislativa, manifestou preocupação com BR-163 (Foto Assessoria)

Um dos assuntos mais falados durante esta semana, a relicitação da BR-163, segue sendo pauta entre os poderes. O presidente da Assembleia Legislativa, Gerson Claro (PP), por exemplo, acredita que a ANTT (Agência Nacional de Transporte Terrestre) pode tomar como exemplo o modelo de concessão adotado por Mato Grosso do Sul na MS-306, que abrange trecho de Costa Rica, Chapadão do Sul e Cassilândia, hoje administrado pelo grupo Way.

"É preciso definir um plano de investimento, que passa necessariamente pelo aporte de recursos federais para amortecer o impacto sobre o preço do pedágio. Duplicar toda a rodovia, fazer todas as obras necessárias nas travessias urbanas, como o novo anel viário de Campo Grande, e querer um pedágio barato, me parece uma equação inviável de ser alcançada”, avalia.

Para ele ficou evidente, durante audiência pública desta terça-feira (21), que a agência não tem proposta consistente para resolver a situação, fato que pode levar novamente a concessão da via ao caminho do fracasso. Isso porque a CCR MS Via, concessionária que atua na BR-163, decidiu rescindir contrato após oito anos de administração e apenas 18% de duplicação concretizada.

“(A questão) não será resolvida por uma simples canetada da ANTT”, opina o presidente da Casa de Leis. Ele cita, inclusive, que o investimento federal na BR-163 em Mato Grosso foi determinante para duplicação em praticamente toda extensão no território mato-grossense, enquanto por aqui somente 174 dos 874 quilômetros foram duplicados.

Wey - Na tarde desta quinta-feira (23), Gerson foi uma das testemunhas que assinou contrato de concessão com o Grupo Way, que administrará a MS-112, entre Três Lagoas e Cassilândia, passando por Inocência, além da BR-158 no entroncamento da MS-306 em Cassilândia até a MSS-444 em Selvíria, passando por Aparecida do Taboado e Paranaíba e BR-436 até a divisa com São Paulo.

Ao todo, serão investidos R$ 3,8 bilhões, atingindo diretamente 230 mil habitantes de Cassilândia, Paranaíba, Aparecida do Taboado, Inocência, Selvíria e Três Lagoas. O projeto prevê construção de seis praças de pedágio com valor médio de R$ 12,32 em cinco delas. Quem precisar trafegar na ponte sobre o Rio Paraná, na divisa com o estado de São Paulo, pagará taxa de R$ 4.

Os trabalhos começam na próxima semana com serviço de tapa-buracos. A empresa se comprometeu, ainda, a aumentar em 40 centímetros a pista e promover o serviço de capina nas margens das rodovias. Uma terceira faixa e acostamento deverão ser construídos ao longo do tempo de concessão. A cobertura telefônica fica a cargo do grupo TIM que, até o final de 2024, ofertará 100% de sinal em qualquer lugar ao longo da rodovia.

Nos siga no Google Notícias