ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
DEZEMBRO, DOMINGO  10    CAMPO GRANDE 21º

Política

Corregedor de presídio vai pedir informações sobre visitas a Puccinelli

Movimentação de deputados e integrantes do partido se intensificou nesta sexta-feira

Izabela Sanchez e Marta Ferreira | 03/08/2018 14:55
Deputado Junior Mochi, senador Waldemir Moka, deputados Márcio Fernandes e Eduardo Rocha visitaram o ex-governador nesta manhã (3). (Foto: Marina Pacheco).
Deputado Junior Mochi, senador Waldemir Moka, deputados Márcio Fernandes e Eduardo Rocha visitaram o ex-governador nesta manhã (3). (Foto: Marina Pacheco).

O Centro de Triagem, presídio no bairro Jardim Noroeste em Campo Grande, tem atraído diversos visitantes inusitados. Já foram ao local deputados estaduais, senadores e representantes do MDB, partido do ex-governador André Puccinelli, preso no local desde o dia 20 de julho. A entrada facilitada no presídio, no entanto, não tem base legal, segundo advogados e juristas ouvidos pela reportagem. 

Corregedor do presídio, o juiz Alexandre Antunes da Silva afirmou que, a princípio, não soube de irregularidades, mas vai apurar a situação. “Eu vou pedir informação a eles, e vou verificar se tem abuso ou não". De acordo com o juiz, antes disso não poderá se manifestar se as visitas seguem a regra legal ou não. "A ideia é sempre verificar se o tratamento é legal ou com qualidade”.

Nos últimos dias, como nesta sexta-feira (3), dia que antecede à convenção da legenda, o movimento se intensificou. Estiveram no local os deputados estaduais Renato Câmara, Eduardo Rocha e o presidente da Assembleia Legislativa, Junior Mochi, além do presidente do MDB em Campo Grande, Ulisses Rocha, e o senador Waldemir Moka, vice-presidente estadual da legenda. 

O ministro Carlos Marun já esteve por lá e, no sábado, foi a senadora Simone Tebet que também visitou Puccinelli. Foi nesse dia, quando, segundo relatou, foi feito o chamado para que o substituísse na candidatura do MDB.

Responsável pela defesa de Puccinelli, o advogado Renê Siufi disse que desconhece as regras que permitem a visitação dos deputados e relembrou que, em alguns casos, há os que são advogados e podem entrar também com essa prerrogativa.

Constituição -  A situação remete à ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, preso em Curitiba (PR), na Polícia Federal, e que também tem recebido muitas visitas, mas no caso dele foi preciso que o STF (Supremo Tribunal Federal) autorizasse, depois de negativa da Justiça Federal.

Por meio da assessoria de imprensa, a Agepen (Agência Estadual de Administração do Sistema Penitenciário) declarou as visitas dos parlamentares são permitidas com base no artigo 58 da Constituição Estadual. O texto  diz que "os deputados terão acesso às repartições públicas estaduais para se informarem sobre qualquer assunto de natureza administrativa".

Não há citação a outros políticos, como ministros e parlamentares federais. 

Puccinelli também recebeu a visita de presidentes de partido, como é o caso de César Gazolla, do PTC. No caso dele, a entrada é permitida por ser advogado, desde que apresentada a carteirinha da OAB (Ordem dos Advogados do Brasil).

Diante do aumento das visitações desse tipo, a Agepen também afirma que solicitou à Procuradoria Jurídica parecer sobre a legalidade de emitir uma resolução interna. A resolução, segundo a Agência, é normatiza a entrada, em presídios de Mato Grosso do Sul, de pessoas que possuem prerrogativas especiais, como parlamentares e advogados.

O advogado Renê Siufi na porta do presídio, com o ministro Carlos Marun ao fundo. (Foto: Saul Schramm)
O advogado Renê Siufi na porta do presídio, com o ministro Carlos Marun ao fundo. (Foto: Saul Schramm)
Nos siga no Google Notícias