A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quinta-feira, 14 de Dezembro de 2017

18/04/2013 16:14

Deputado condena diferença em preço de passagens denunciada por internautas

Nadyenka Castro
Deputado federal Fábio Trad (PMDB). (Foto: Divulgação)Deputado federal Fábio Trad (PMDB). (Foto: Divulgação)

O deputado federal Fábio Trad (PMDB) condenou prática de venda majorada de passagens aéreas para clientes brasileiros, denunciada nesta semana por usuários nas redes sociais.

Conforme a assessoria de imprensa do deputado, a TAM foi denunciada pela Associação de Consumidores ao DPDC (Departamento de Proteção ao Consumidor), porque estaria vendendo bilhetes mais baratos a estrangeiros.

Em uma das buscas realizadas por internautas, um voo de São Paulo para Brasília, que custa R$ 1.327 na página em português da companhia aérea, saía por R$ 350 (US$ 175) no site em inglês. “Isso é um total absurdo. Não podemos compactuar com este tipo de prática. Vamos levar uma denúncia ao Ministério Público”, afirmou o deputado sul-mato-grossense.

A companhia enviou um comunicado à imprensa afirmando que não comercializa passagens aéreas mais caras para consumidores brasileiros, na comparação com as tarifas praticadas pela empresa no exterior.

Segundo o comunicado, "ocorreu um erro no sistema de disponibilização de tarifas, causando uma grande diferença nos preços, para iguais trechos" em sites da TAM no Brasil e no exterior. A empresa afirmou que o erro foi corrigido "graças ao alerta de clientes".

Ainda de acordo com a TAM, o erro não significa que diferenças de preços entre mercados diferentes sejam incomuns na dinâmica da empresa. Segundo o comunicado, o que determina o valor das passagens é a demanda de cada perfil de passageiros - básico, flex e top - e a oferta de assentos disponíveis.

 



Isso é comum, é uma pratica das empresas para catar publico que normalmente escolharia outra empresa. Do mesmo jeito, se você é Alemão e tenta comprar uma passagen Colonia - Madri, você paga mais do que um Brasileiro tentando comprar o trecho. E de algum jeito é permitido. Me lembro que morando em Holanda tinha uma ação na justiça de uma empresa de turismo comprando nos EUA passagens de KLM em nome de clientes Holandeses, mandando a passagem de SEDEX para la (ainda epoca de bilhete em papel). O KLM se recusou a transportar os passageiros e ganhou.
É só um jeito de atrair estrangeiros buscando trecho completo, ou seja: um jeito de fazer que Turista que vem de Portugal para Brasil faz Porto - São Paulo - Brasilia (com coneção, mas da TAM) e não pega direto o trecho Porto - Brasilia (da TAP).
 
Marcos da Silva em 18/04/2013 19:08:04
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions