A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Domingo, 17 de Dezembro de 2017

30/03/2011 16:51

Deputado quer inelegibilidade de membro do 1º escalão para evitar uso da máquina

Angela Kempfer
Takimoto defende a ideia há 20 anos.Takimoto defende a ideia há 20 anos.

A Assembléia Legislativa de Mato Grosso do Sul aprovou na sessão de hoje indicação do deputado estadual George Takimoto (PSL) que será encaminhada à Comissão Especial da Reforma Política na Câmara.

A proposta é tornar inelegível quem ocupar cargos de primeiro escalão durante a legislatura em que estiverem servindo aos governos federal, estaduais e municipais. Com a regra, o deputado prevê o fim do uso da máquina administrativa para a eleição de membros desses poderes.

“Já temos um ponto de partida determinante que é a manifestação clara do Supremo em acabar com o instituto da reeleição para mandatos executivos (presidente da República, governadores e prefeitos) a partir de 2014”, comentou Takimoto.

Segundo o deputado, há 20 ele defende essa idéia, para tornar inelegíveis as pessoas que tenham exercido nos quatro anos anteriores ao pleito a titularidade na presidência, direção e superintendência de autarquias, empresas públicas, sociedades de economia mista, fundações públicas e as mantidas pelo poder público;secretarias estaduais, chefias dos gabinetes Civil e Militar do Governador do Estado ou do Distrito Federal; direção de órgãos estaduais ou sociedades de assistência aos municípios; secretarias de administração municipais e postos em órgãos congêneres.

“Já é cultural. Detentores de cargos na administraçãop direta, indireta ou fundacional, sem votos, sem apelo popular, antes da desincompatibilização e autorizados por seus padrinhos, organizam seus caixas 1, 2 e 3. E amparados pelas muletas de ouro do poder Executivo, influem nas convenções partidárias e entram numa concorrência política onde só eles vencem e normalmente são os mais votados, mesmo que nunca tenham disputado antes outras eleições”, lembra o parlamentar.

Uma das justificativas é que a Justiça Eleitoral não está aparelhada para assegurar equilíbrio nas eleições, muito menos a derrama de recursos que transformou o processo eleitoral em um negócio caro.

“Muitos podem concorrer, mas ta-somente para legitimar a democracia, já que só os literalmente afortunados conseguem finalizar seus negócios”, reforça. “E o Brasil tem assistido em todas as eleições a influência direta do poder econômico e o abuso do exercício de funções nas administrações públicas, embora a Constituição determine imperativamente que uma Lei Complementar estabeleça os casos de inelegibilidade e seus prazos de cessação”, observa, referindo-se ao parágrafo 9º dfo Artigo 14 da Carta Magna.

Governo do Estado investe R$ 9,2 milhões em infraestrutura em Caracol
Caracol vai receber mais de R$ 2,8 milhões em obras a serem executadas pelo Governo do Estado em parceria com a prefeitura e deputados federais e est...
Assembleia vota Orçamento de R$ 14,4 bilhões de 2018 na terça-feira
O Orçamento de R$ 14,4 bilhões do Governo de Mato Grosso do Sul para 2018 passará pela votação em segunda discussão na terça-feira (19) na Assembleia...


Se um dia os políticos não puderem se candidatar para reeleição por pelo 20 anos, com certeza o nosso país vai melhorar nem que seja um pouco, o que atrapalha o bom desempenho deles hoje é justamente o profissionalismo,as negociatas, as impunidades, as corrupções. O brasil precisa de políticos que tem o comprometimento com o povo,que fiscalizem o uso de verbas públicas e que acima de tudo sejam honestos com o povo e com eles mesmo.
 
nilson franco de oliveira em 31/03/2011 08:49:46
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions