A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quinta-feira, 14 de Dezembro de 2017

02/12/2014 14:13

Deputados criticam falta de ação da União sobre conflitos indígenas

Leonardo Rocha
Felipe Orro criticou a omissão da União em resolver conflito e disse que Estado está virando um faroeste (Foto: Giuliano Lopes/ALMS)Felipe Orro criticou a omissão da União em resolver conflito e disse que Estado está virando um faroeste (Foto: Giuliano Lopes/ALMS)
Zé Teixeira lembrou que este clima intensifica conflito entre brasileiros (Foto: Giuliano Lopes/ALMS)Zé Teixeira lembrou que este clima intensifica conflito entre brasileiros (Foto: Giuliano Lopes/ALMS)

Os deputados voltaram a criticar a falta de ação da União para resolver os conflitos indígenas em Mato Grosso do Sul, que segundo eles, tem gerado disputas cada vez mais acirradas entre índios e produtores rurais. Para os parlamentares, apesar de enviarem representantes para o Estado, o governo federal continua omisso.

"Trata-se de um descaso da União, que poderia resolver o problema colocando recursos do tesouro para a indenização destas terras, não tem como passar mais um ano, um novo Natal, e nada foi feito de efetivo, só palavras ao vento", disse o deputado Felipe Orro (PDT).

O deputado ressaltou que o Estado está se transformando em um "faroeste" ou voltando a "idade média". Ele lembrou que já participou de reunião com a ex-ministra Gleisi Hoffmann e com o ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo. "Cada dia está pior, me sinto envergonhado com isto, com o tratamento que a presidente Dilma (Rousseff) dá a Mato Grosso do Sul".

O deputado Zé Teixeira (DEM) também fez críticas, lembrando que o setor produtivo consegue dar sustentação a economia nacional, mas que até hoje tem sofrido com o descaso do governo federal. Ele inclusive leu uma carta da Acrissul (Associação dos Criadores de Mato Grosso do Sul), que apresentou várias reclamações a União.

Entre elas está o fato de o ministro da Justiça ter vindo aqui há um ano e meio e disse que resolveria a situação em 45 dias. Outra questão é sobre o pagamento das terras da região do Buriti, que até hoje não foi decidida pela União. "Este clima intensifica a disputa de brasileiros contra brasileiros, onde está o direito das pessoas neste país", questionou o democrata.

O deputado Cabo Almi (PT) ainda fez um discurso ponderando que existe vontade da União em resolver, mas além de ter a questão constitucional, existe um impasse de quem quer vender e quem vai comprar. "É preciso ter um entendimento sobre os valores da terra, vamos resolver primeiro o problema do Buriti, para depois resolver as demais".

Marun ainda quer votar relatório da JBS antes de posse no ministério
Na véspera de ser empossado como ministro da Secretaria de Governo, o deputado Carlos Marun (PMDB-MS), relator da Comissão Parlamentar Mista de Inqué...
Senado aprova R$ 1,9 bi a estados para compensar desoneração de exportações
Após suspender a sessão do Congresso Nacional, o presidente do Senado, Eunício Oliveira (PMDB-CE), retomou os trabalhos do plenário da Casa com o obj...
Temer discutirá data de votação da reforma da Previdência nesta quinta
O anúncio do líder do governo no Senado, Romero Jucá (PMDB-RR), de que a votação da proposta de reforma da Previdência ficará para fevereiro causou r...


imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions