A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quinta-feira, 17 de Agosto de 2017

22/05/2014 18:52

Em nova petição, Câmara contesta Bernal e processo se avoluma no TJMS

Josemil Arruda
Processo de Bernal será julgado pelo presidente do TJMS, Joenildo Chaves (Foto: arquivo)Processo de Bernal será julgado pelo presidente do TJMS, Joenildo Chaves (Foto: arquivo)

A Câmara de Campo Grande ingressou com duas manifestações contra petição apresentada pelo ex-prefeito Alcides Bernal (PP) no processo que será julgado pelo presidente do Tribunal de Justiça do Estado (TJMS), desembargador Joenildo de Souza Chaves, contestando principalmente o argumento de que é admissível a “agente político” ingressar com Pedido de Suspensão de Segurança (PSS). Com isso, o processo se avolumou, chegando a 224 páginas.

“Com efeito, não se pode admitir que o autor, reconhecendo que fez um trabalho de técnica jurídica duvidosa com a inicial que apresentou, venha, agora, certamente instruída por mentes mais dedicadas ao estudo e experientes na função de julgar, apresentar outra petição inicial, repetindo e estendendo os argumentos já expendidos, de forma superficial e açodada na exordial”, afirma o procurador jurídico da Câmara, André Luiz Pereira da Silva, na manifestação.

Ponderou ainda que Bernal não poderia expor novas alegações e citar jurisprudência através de “emenda” à petição inicial em se tratando de uma ação judicial de natureza cautelar, como no caso do PSS. E reafirmou que PSS só pode ser manejado por pessoa jurídica de direito público ou Ministério Público.

Na terça-feira (20), o ex-prefeito promoveu manifestação no processo em que sustenta que há decisões dos tribunais superiores que lhe asseguram o direito de utilizar-se do Pedido de Suspensão da Segurança. “Objetivamente esta medida é cabível e o requerente tem legitimidade para tanto, pois o autor é agente político que está sofrendo os efeitos da decisão atacada, conforme precedentes já definidos pelas Cortes Superiores”, sustentou na nova petição.

Invasão – O clima de insegurança foi também bastante destacada pelo procurador jurídica da Câmara nas manifestações desta semana. Trata da ação coordenada por Bernal como invasão. “Neste aspecto, cumpre salientar que o ex-prefeito cassado Alcides Bernal nunca reassumiu o cargo de prefeito, baseado na esdrúxula decisão do magistrado da 2ª Vara de Direitos Difusos”, afirmou no processo. “No caso em tela, o autor, após tomar ciência da decisão do magistrado de piso, dirigiu-se até a sede da Prefeitura, com seus capangas, e invadiu o prédio (determinando ainda que outros locais fosse objeto dessa conduta criminosa, temerária e irresponsável)”, continuou.

Ontem, em nova manifestação, a Câmara de Campo Grande colaciona mais um argumento, o de que o Pedido de Suspensão da Segurança é excepcional e requer demonstração de efetivo dano. “Dessa forma, à exceção de gritante excepcionalidade, o pedido de suspensão é incabível, se não demonstrar o dano à ordem pública ou administrativa, como se extrai da decisão do ministro presidente do STJ”, sustenta, em seguida citando repertório de jurisprudência nesse sentido.

 

 




imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions