ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
MAIO, SEGUNDA  27    CAMPO GRANDE 12º

Política

Em novo habeas corpus, presença de Marquinhos em delegacia é opcional

Decisão de magistrada garantiu a candidato ficar livre de acusação por crime de desobediência

Gabriela Couto | 23/09/2022 09:22
Campo Grande News - Conteúdo de Verdade
Candidato ao governo, Marquinhos Trad (PSD), durante entrevista a jornalistas nesta semana. (Foto: Marcos Maluf)
Candidato ao governo, Marquinhos Trad (PSD), durante entrevista a jornalistas nesta semana. (Foto: Marcos Maluf)

A batalha de liminar do candidato ao governo Marquinhos Trad (PSD) terminou com a decisão da magistrada Eucelia Moreira Cassal, da 3ª Vara Criminal de Campo Grande, tornando facultativa a presença do ex-prefeito em depoimento hoje (23), às 10h, na DEAM (Delegacia Especializada de Atendimento a Mulher). A juíza é a mesma que determinou o arquivamento de mais seis denúncias contra ele.

Pela segunda vez, a expectativa do depoimento foi frustrada, porque o ex-prefeito não compareceu.

A defesa de Marquinhos solicitou que o depoimento seja dado após o dia 2 de outubro, data do primeiro turno das eleições. A justificativa foi apresentada pelo candidato de forma manuscrita ontem (22), quando foi intimado por um oficial de justiça em Dourados, a 251 km da Capital. Os advogados de Trad argumentam que a agenda de campanha eleitoral está extensa, com compromissos pré-agendados. O que foi acatado por Cassal.

“Assim, DEFIRO EM PARTE o pedido de liminar requerido no presente pedido de Habeas Corpus, para convolar a compulsoriedade de comparecimento do paciente Marcos Marcello Trad, qualificado, em facultatividade, na data de 23/09/2022, às 10 horas – ocorrência n. 4685/2022. Considerando que o ato objeto da medida está designado para amanhã (23/09/2022), pela manhã e o presente feito veio concluso ao Juízo na tarde de hoje, sendo possível proferir decisão somente neste momento (22h52min), vale cópia desta como comunicação à Autoridade Policial, que poderá ser apresentada pelas impetrantes, mediante acesso ao feito”, assinou a juíza.

Mais cedo, às 19h34, o juiz eleitoral Wagner Mansur Saad, teria negado o habeas corpus com o mesmo pedido. Ele acredita que os fatos da investigação de supostos abusos sexuais durante o mandato de prefeito de Trad não têm ligação com a questão eleitoral do candidato.

Nos siga no Google Notícias