A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Segunda-feira, 18 de Dezembro de 2017

30/05/2016 19:50

Fim do suspense: sai amanhã lista de políticos e empresários denunciados

Paulo Yafusso
Paulo Passos, que assumiu a Procuradoria-geral de Justiça no início deste mês, tem a responsabilidade de oferecer denúncia contra investigados na Coffee Break (Foto: Fernando Antunes)Paulo Passos, que assumiu a Procuradoria-geral de Justiça no início deste mês, tem a responsabilidade de oferecer denúncia contra investigados na Coffee Break (Foto: Fernando Antunes)

O procurador-geral de Justiça, Paulo Passos, encaminha nesta terça-feira (31) para o TJMS (Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul) denúncia contra alguns dos investigados na Operação Coffee Break, que investigou suposto esquema para a cassação do prefeito Alcides Bernal. Entre os que poderão ser tornar réu no processo estão empresários, vereadores e políticos. Só escapam de responder processo caso o desembargador do caso, Luiz Claudio Bonassini, não aceitar a denúncia e decidir pela impronúncia.

O MPE (Ministério Público Estadual) faz sigilo sobre quantos e quem serão os denunciados. No relatório que o então coordenador do Gaeco (Grupo de Atuação Especial de Repressão ao Crime Organizado) promotor de justiça Marcos Alex Vera de Oliveira entregou à PGJ (Procuradoria-geral de Justiça) no incio de dezembro do ano passado, ele defendia o oferecimento de denúncia contra dois ex-prefeitos de Campo Grande, 13 vereadores e empresários.

A denúncia a ser apresentada nesta terça-feira está fundamentada no relatório entregue pelo Gaeco e também em novas diligências feitas pelos assessores da PGJ, bem como levantamento de novos documentos como laudos feitas em celulares e da quebra do sigilo bancário e fiscal. Até a conclusão do primeiro relatório pelo Gaeco, o procedimento tinha 4.500 páginas e agora são 7 mil.

Conforme consta no procedimento em andamento no TJMS, pelo menos dois fatos novos foram incluídos pelo MPE. Uma é a carta de Ronan Edson Feitosa de Lima, em que ele relata a participação de políticos, entre eles o vice-prefeito afastado Gilmar Olarte, no suposto esquema para cassar Alcides Bernal. Segundo Olarte, Ronan foi coagido e ameaçado a assinar o documento, que foi entregue em outubro ao Gaeco. Em abril deste ano, Ronan Feitosa registrou BO (Boletim de Ocorrência) relatando a ameaça.

Outro documento incluído pelo Ministério Público ao processo é o laudo da perícia feita no celular de Gilmar Olarte, em que foram encontradas mensagens que, no entendimento do MPE, sugere que o servidor do Tribunal de Justiça, Mauro Lino Alves Pena, avisou Olarte dias antes da Operação Coffee Break.

A Operação foi deflagrada no dia 25 de agosto do ano passado. Treze pessoas foram conduzidas coercitivamente para prestar depoimento ao Gaeco, sobre o suposto esquema para cassação de Alcides Bernal. Também foram cumpridos mandados de busca e apreensão, inclusive de 17 celulares que foram periciados pelo IC (Instituto de Criminalística).

Foram levados coercitivamente para prestar depoimento no Gaeco Mario Cesar (PMDB); Edil Albuquerque (PMDB); Airton Saraiva (DEM); Waldecy Batista Nunes (PP), o Chocolate; Gilmar da Cruz (PRB); Carlos Augusto Borges (PSB), o Carlão; Edson Shimabukuro (PTB) e Paulo Siufi (PMDB); Jamal Salem (PR), na época secretário municipal de Saúde, e o ex-vereador Alceu Bueno, que renunciou após escândalo de exploração sexual, além dos empresários João Amorim, Fábio Portela Machinsky e João Roberto Baird.

Alcides Bernal foi cassado pela Câmara Municipal no dia 12 de março de 2014, por 23 votos favoráveis e 6 contra. Ele retornou ao cargo no mesmo dia da realização da Operação Coffee Break, por conta de liminar a uma Ação Popular que tramita na 2ª Vara dos Direitos Difusos, Coletivos e Individuais Homogêneos.

 

Assembleia recebe prestação de contas e fará limpeza de pauta antes do recesso
A última semana de trabalho do Poder Legislativo de Mato Grosso do Sul em 2017 será aberta com a audiência pública para prestação de contas do govern...
Assembleia vota prorrogação de adesão a fundo que regula incentivos fiscais
A prorrogação até 30 de dezembro do prazo para que empresas beneficiadas com incentivos fiscais concedidos pelo governo do Estado se inscrevam no Fad...


imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions