A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sábado, 19 de Agosto de 2017

09/03/2016 11:58

Governador diz que aguarda STF sobre eventual mudança no secretariado

Antonio Marques e Leonardo Rocha
Governador Reinaldo Azambuja disse que vai aguardar decisão do STF para decidir futuro do secretário de Justiça e Segurança Pública (Foro: Marcos Ermínio)Governador Reinaldo Azambuja disse que vai aguardar decisão do STF para decidir futuro do secretário de Justiça e Segurança Pública (Foro: Marcos Ermínio)

O governador de Mato Grosso do Sul, Reinaldo Azambuja (PSDB), disse na manhã desta quarta-feira (9), durante evento na Embrapa Gado de Corte, que vai aguardar o entendimento do STF (Supremo Tribunal Federal) para decidir o futuro do secretário de Justiça e Segurança Pública, Silvio Maluf, que é membro do MPE (Ministério Público Estadual).

O STF deve julgar na tarde de hoje, (9), a constitucionalidade da nomeação de membros dos ministérios públicos em cargos do Executivo. “A ação ainda está à nível do Ministério da Justiça”, observou o governador sul-mato-grossense, lembrando que “não existe, até o momento nenhuma recomendação contra o secretário Silvio Maluf”.

Se depender do relator do caso, ministro Gilmar Mendes, Reinaldo Azambuja terá que colocar outra pessoa na pasta. Segundo a Folha de S. Paulo, o magistrado já declarou que a Corte, em casos passados, se posicionou contra a permanência de promotores e procuradores na administração pública.

A ação que será analisada hoje é referente ao ministro da Justiça, Wellington César Lima. Ele foi nomeado pelo Governo Federal valendo-se da mesma brecha usada por Azambuja para colocar Maluf na secretaria de Justiça e Segurança Pública.

Existe um dispositivo legal que permite aos servidores dos ministérios públicos a exercerem cargos no governo desde que compatíveis com a finalidade, sendo vedada a representação judicial e a consultoria jurídica.

Porém, ministros ouvidos pela Folha de S. Paulo tiveram um entendimento diferente. Para eles, é preciso que o servidor peça exoneração ou esteja aposentado no momento da nomeação.

O advogado constitucionalista André Borges, ouvido pelo Campo Grande News, no sábado, disse que a decisão tem efeito vinculante, ou seja, é válida em todo País.

Conforme o advogado, caso o Supremo seja contrário à liberação dos membros do MPE, Maluf deverá deixar o cargo no MPE ou se aposentar. “O tema é tecnicamente complexo. Para mim, não é possível esse tipo de nomeação, com função comissionada no Executivo”, afirma Borges.

Câmara vai homenagear 84 pessoas em sessão do aniversário de 118 anos
A Câmara Municipal de Campo Grande vai homenagear 84 pessoas em sessão solene na próxima quarta-feira (dia 23). Na ocasião, a partir das 19h, serão ...
Moreira Franco: MP das Rodovias dará segurança jurídica e resolverá problemas
O ministro da Secretaria Geral da Presidência, Moreira Franco, afirmou que a MP das Rodovias vai garantir condições de investimento nas concessões at...
Puccineli quer candidato de consenso a presidência do PMDB em MS
Só se for sem disputa. É assim que o ex-governador de Mato Grosso do Sul, André Puccinelli (PMDB), quer disputar o comando da legenda no Estado, nas ...



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions