A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Terça-feira, 26 de Março de 2019

25/11/2018 14:30

Governador diz que margem para cortes é “estreita”, mas mantém estudos

Reinaldo Azambuja afirma que, mesmo sem reajustes, folha cresce naturalmente com ascensão e mudança de letra de servidores; aumento da receita estanca problema

Humberto Marques
Governador afirma que, mesmo com estrutura enxuta, busca meios de gerar mais economia no caixa estadual. (Foto: Chico Ribeiro/Subcom/Segov)Governador afirma que, mesmo com estrutura enxuta, busca meios de gerar mais economia no caixa estadual. (Foto: Chico Ribeiro/Subcom/Segov)

O governador Reinaldo Azambuja (PSDB) afirmou na manhã deste domingo (25) que o Estado mantém estudos que visem a reduzir a pressão dos gastos com funcionalismo, passando por mudanças pontuais na administração. Ele salientou, porém, que Mato Grosso do Sul já conta com uma estrutura enxuta e indicou que a evolução das receitas é uma saída para o equilíbrio financeiro. Isso porque, mesmo sem contratações ou reajustes, os gastos com a folha dos cerca de 75 mil servidores estaduais já crescem naturalmente até 5% ao ano.

Após participação da premiação do Circuito Open de Vôlei de Praia, no Parque das Nações Indígenas, em Campo Grande, Reinaldo reforçou que a margem para enxugamento de gastos por meio de uma reforma administrativa –que incluiria corte de gastos com pessoal e redução no número de secretarias– “é estreita, porque já diminuímos drasticamente o tamanho da máquina”. No primeiro mandato, o número de secretarias estaduais foi reduzido de 14 para 10, sendo apontada como a menor estrutura administrativa do país.

Segundo o governo, o entrave está no impacto causado entre receitas e despesas. “Se a receita não crescer a folha cresce nominalmente, entre 3,5% e 5% ao ano, sem aumento nenhum. O crescimento é vegetativo, por meio da ascensão funcional e mudança de letra dos servidores, o que é normal dentro do governo”, afirmou. Reinaldo voltou a rechaçar que o Estado enfrente situação de insolvência –incapacidade de pagar suas despesas– em 2017, como apontado em levantamento da STN (Secretaria do Tesouro Nacional) que considera gastos com pessoal ativo e inativo.

“Rebatemos o cálculo esse cálculo. O que vale ára nós é o da LRF (Lei de Responsabilidade Fiscal), no qual estamos no limite prudencial, mas não acima dos gastos com pessoal”, afirmou o governador. A STN apontou que Mato Grosso do Sul gasta cerca de 77% das receitas líquidas com servidores, aposentados e pensionistas, quando o limite seria 60%. Já a regra da LRF apontada por Reinaldo considera apenas o pessoal da ativa, fixando em 46,55% o limite prudencial para gastos com servidores. O Estado estaria com gastos em 48,4% dessa proporção, abaixo do teto máximo de 49%.

O governador ressaltou que a evolução da receita “estanca o risco” de que haja problemas, salientando que “o grande desafio é tentar encolher, estudar alguma forma de não comprimir tanto a receita com a folha. Os governos, tanto o federal como os Estados, buscam alguma reforma para descomprimir o percentual com a folha. E percorremos isso todos os dias”. Reinaldo já disse que pretende implementar mudanças pontuais em sua gestão, justamente pelo fato de contar com uma estrutura administrativa reduzida.

 



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions