ACOMPANHE-NOS    
OUTUBRO, DOMINGO  25    CAMPO GRANDE 28º

Política

Horas antes do julgamento, Siufi se diz “com consciência tranquila”

Deputado estadual terá recebimento de denúncia contra si apreciado pelo Órgão Especial do TJMS; caso surgiu em 2016

Por Humberto Marques e Leonardo Rocha | 21/02/2018 11:00
Siufi se disse tranquilo em relação às acusações. (Foto: Wagner Guimarães/Assembleia Legislativa)
Siufi se disse tranquilo em relação às acusações. (Foto: Wagner Guimarães/Assembleia Legislativa)

Prestes a ter recebimento de denúncia contra si julgado pelo TJMS (Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul) por suposta participação nos fatos investigados na operação Coffee Break, o deputado estadual Paulo Siufi (MDB) disse estar “com a consciência tranquila”, já que garante não ter cometido nada ilegal. O parlamentar afirma que deixou a questão nas mãos dos advogados.

“Estou com a consciência tranquila, não fiz nada de errado e confio na Justiça. Tanto que deixei a questão nas mãos de meus advogados e não vou acompanhar”, afirmou Siufi na manhã desta quarta-feira (21), na Assembleia Legislativa. “Estou preocupado com a sessão agora e depois com os meus pacientes que estão esperando”.

A investigação da Coffee Break chegou ao TJMS graças ao foro privilegiado de Siufi –até então, o processo corria em primeira instância por envolver vereadores e ex-integrantes da Câmara da Capital, acusados de participação de um esquema para cooptação de apoio político no Legislativo de Campo Grande com participação do ex-prefeito Gilmar Olarte, visando a cassar o mandato do ex-prefeito Alcides Bernal (PP).

“Do dia da operação ate hoje não entendi como funcionou [a acusação]. Não concordo com denúncia, mas estou tranquilo”, prosseguiu Siufi, que era vereador da Capital à época dos fatos.

Acusações – Inicialmente previsto para o dia 7, o julgamento no Órgão Especial do TJ foi remarcado para esta quarta-feira a pedido a defesa de Siufi. Caso a denúncia do MPMS (Ministério Público de Mato Grosso do Sul) seja aceita, o processo terá efetivamente início. Do contrário, vai para arquivamento.

Com denúncia apresentada em junho de 2016, o inquérito da Coffee Break supera as 40 mil páginas e envolve 24 denunciados, sob acusação de compra de votos para cassar Bernal.

As investigações envolvem crimes de associação criminosa e corrupção. A lista inclui o ex-governador André Puccinelli (MDB), o ex-prefeito Nelson Trad Filho (PTB), Olarte e os vereadores Otávio Trad (PTB), Carlos Augusto Borges (PSB), Gilmar da Cruz (PRB) e João Rocha (PSDB). Contra estes, a denúncia tramita na 6ª Vara Criminal de Campo Grande.

Nos siga no Google Notícias
Regras de comentário