A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quarta-feira, 14 de Novembro de 2018

08/11/2018 18:45

Jully Heyder quer OAB transparente e atuante na valorização dos advogados

Candidato também afirma que instituição deve ser proativa no combate à corrupção; propostas incluem defesa de prerrogativas e fim da reeleição

Humberto Marques
Jully Heyder encabeça chapa apoiada por sete ex-presidentes da OAB-MS; propostas incluem mais transparência na instituição. (Fotos: Guilherme Rosa)Jully Heyder encabeça chapa apoiada por sete ex-presidentes da OAB-MS; propostas incluem mais transparência na instituição. (Fotos: Guilherme Rosa)

Mais transparência com os advogados, proatividade da instituição no combate à corrupção e, principalmente, resgatar a valorização do papel do profissional perante a sociedade integram o corpo de propostas de Jully Heyder da Cunha Souza, candidato a presidente da OAB-MS (Ordem dos Advogados do Brasil-Seccional de Mato Grosso do Sul). Em uma campanha crítica, ele e o candidato a vice, Felipe Azuma, defendem ainda o fim da reeleição na entidade e a instituição de setores que garantam a proteção das prerrogativas do advogado, profissão que, para o candidato, vive um momento de “marginalização”.

Heyder e Azuma disputam a eleição (cuja votação acontece no dia 20) sem um nome para a chapa, depois de decisão nacional os proibiu de usar o nome anterior –adotado no período pré-eleitoral da OAB. “O nome (da chapa) é Jully Heyder, sou o candidato. Isso está muito consolidado. Os adversários são Mansour Karmouche e Rachel Magrini”, afirmou, em entrevista ao Campo Grande, News, ao criticar denúncia à Ordem Nacional que aboliu o nome do grupo.

O candidato reforça encabeçar um movimento formado por sete outros ex-presidentes da OAB-MS “que nunca andaram juntos”. “Hoje eles se uniram porque constaram que a realidade da advocacia tem de mudar”, afirmou, defendendo uma instituição que não se baseie em interesses pessoais. Jully Heyder usa a pluralidade da composição para firmar compromisso de proibir a reeleição na entidade, bem como a instituição de eleições diretas para o Conselho Federal.

Internamente, o candidato ainda elenca uma série de causas que, na sua avaliação, visam a acabar com a “marginalização” resultante de decisões do Judiciário. “A imagem do advogado acaba confundida com a do seu cliente, enfrentamos dificuldade de acesso a juízes, maltratados em delegacias, um ambiente que trabalhamos”, afirmou. “Como estará nossa imagem daqui a alguns anos?”, questionou, propondo uma postura mais firme para defesa da profissão.

Jully Heyder quer OAB transparente e atuante na valorização dos advogados

“A imagem do advogado acaba confundida com a do seu cliente, enfrentamos dificuldade de acesso a juízes, maltratados em delegacias, um ambiente que trabalhamos”

Prerrogativas – Nesse sentido, Heyder defende a melhora da capacidade da OAB “de reagir às diversas ofensas que o advogado sofre hoje”. A proposta inclui a criação de uma Procuradoria de Prerrogativas, “com advogados pagos pela instituição para responderem imediatamente em todo o Estado”.

Ao mesmo tempo, a Comissão de Defesa das Prerrogativas ganharia um papel mais político, “criando políticas de defesa das prerrogativas junto às polícias, ao Judiciário e demais instituições, para que implementem condições para os advogados, em condição macro, serem respeitados e terem suas prerrogativas garantidas”.

Tais intervenções, explica o candidato, poderiam contar com o suporte de proposições de ações civis públicas por dano moral coletivo “nos grandes casos de repercussão e ofensa às prerrogativas, como advogados presos. Representaria uma ação mais enérgica nesses casos para coibir os abusos contra nós”.

O cuidado com a imagem do advogado deve, também, ir além, reforçou Heyder. “Tem de haver um projeto para lidar com outras instituições para resgatar a imagem da advocacia perante a sociedade. Um Tribunal de Ética que funcione, para não ter uma quantidade enorme de processos prescrevendo sem resposta e efetuar a depuração dos bons profissionais, mostrando isso à sociedade”, disse.

Jully Heyder quer OAB transparente e atuante na valorização dos advogados

“É fundamental que a OAB desempenhe seu papel adequadamente, estando no protagonismo de grandes questões da sociedade”

Outro ponto que o candidato destaca é a necessidade de ampliar discussões para a retomada do atendimento do Judiciário estadual em período integral. “A proposta feita para os gabinetes funcionarem pela manhã e concentrar o atendimento ao público à tarde não é uma realidade. Os fóruns ficam praticamente fechados durante a manhã, só com alguns juízes e gabinetes. Os advogados, às vezes, precisam despachar com os juízes, pedir liminar de atendimento específico, resolver questões de alvarás jurídicias”, afirmou. “Precisamos nos comunicar com o Judiciário para pedir andamentos nos processos, e com um fórum em meio expediente não dá. Às tardes, os juízes são tomados pelas audiências. Isso mais uma vez tira o advogado do acesso ao Judiciário”.

Corrupção – Embora voltada para os advogados, Heyder lembra que, constitucionalmente, a OAB existe também para atuar em favor da sociedade. Nesse sentido, prega o fortalecimento de instâncias interiores, como as focadas no combate à corrupção, de forma a permitir uma reação mais rápida em meio a denúncias contra o patrimônio coletivo. “É fundamental que a OAB desempenhe seu papel adequadamente, estando no protagonismo de grandes questões da sociedade”.

Da mesma forma, ele cobra que a própria instituição adote uma postura mais transparente. Para tanto, cita decisão recente do TCU (Tribunal de Contas da União) que obriga todas as Seccionais da OAB no país a prestarem contas àquela Corte Fiscal. Embora o fato já tenha sido discutido anteriormente no Supremo Tribunal Federal com ganho de causa à Ordem, frisa Heyder, “é resultado da omissão da própria OAB em prestar contas até para os advogados”.

Pautas nacionais – Jully Heyder afirma ser função da OAB defender a capacitação em Ciências Jurídicas. Neste sentido, afirma que o problema não está necessariamente na abertura de novos cursos de Direito, mas na qualidade dos mesmos. “A Ordem deve trabalhar muito nacionalmente para haver a reformulação dos cursos jurídicos, repensando o Ensino à Distância e tendo mais laboratórios para a prática jurídica. Ficou fácil abrir um curso jurídico: contrata-se um professor, põe grande parte da grave à distância e o curso funciona. Debater a qualidade disso é fundamental”.

O candidato afirma ser favorável ao porte de armas para advogados “por isonomia” em relação a juízes, promotores e procuradores, também em virtude dos riscos da profissão. “Se lá se garante, aqui tem de garantir também. O advogado é um profissional capacitado, sabe como usar seus direitos”, disse. Já em relação à sociedade, afirma que problemas de segurança pública só se resolverão com políticas de inteligência. “Mas a posse é um direito que, acredito, todo o cidadão de bem, sem passagens e com os devidos testes psicológicos, pode ter sem problemas”.

Da mesma forma, afirmou avaliar que a redução da maioridade penal merece um debate mais aprofundado pois, por si só, não ajudaria a eliminar a criminalidade. “Temos um sistema penitenciário falido. Antes de falar em reduzir a maioridade devemos o reestruturar. Colocar um jovem de 16 anos em um ambiente dominado por facções não tem nada de bom”, pontuou, sustentando que as penitenciárias insistam “no trabalho de recuperação do indivíduo”.



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions