ACOMPANHE-NOS    
JANEIRO, QUARTA  26    CAMPO GRANDE 23º

Política

Moka reúne entidades policiais para debater PEC que unifica polícias

Por Francisco Júnior | 13/03/2012 16:45

Participaram da reunião entidades representativas da Polícia Federal, Polícia Civil, da Polícia Militar e dos Bombeiros

Senador em reunião com entidades representativas da Polícia Federal, Polícia Civil, da Polícia Militar e dos Bombeiros (Foto: Divulgação)
Senador em reunião com entidades representativas da Polícia Federal, Polícia Civil, da Polícia Militar e dos Bombeiros (Foto: Divulgação)

O senador Waldemir Moka (PMDB-MS), relator da proposta de Emenda à Constituição (PEC) 102, se reuniu nesta terça-feira (13) com representantes dos diversos segmentos da Segurança Pública para discutir a proposta que permite a unificação das polícias no país.

Participaram da reunião entidades representativas da Polícia Federal, Polícia Civil, da Polícia Militar e dos Bombeiros.

Proposta pelo senador Blairo Maggi (PR-MT), a PEC faculta à União, ao Distrito Federal e aos Estados a adoção de polícia única, cujas atribuições congregam as funções de polícia judiciária, apuração de infrações penais, polícia ostensiva, administrativa e de preservação da ordem pública.

Estabelece ainda que a remuneração dos agentes públicos integrantes da Polícia Federal, Polícia Rodoviária Federal, Polícias Civis, Polícias Militares e Corpos de Bombeiros Militares terá assegurado piso nacional a ser fixado em lei federal, que disciplinará fundo nacional, com participação da União, dos Estados e dos municípios, visando a sua suplementação, bem como a vinculação de percentuais do orçamento.

O relator pretende realizar vários encontros com representantes das categorias, além de promover audiências públicas em todos os Estados.

O senador deu prazo de 30 dias para que representantes das polícias apresentem sugestões para subsidiar a elaboração do parecer. Moka informou que ouvirá ainda o Ministério da Justiça, Ministério Público e sobretudo a sociedade civil.

Nos siga no Google Notícias
Regras de comentário