A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quinta-feira, 14 de Dezembro de 2017

01/08/2012 16:59

MS deve contar com órgão para ampliar segurança a magistrados

Fabiano Arruda
Presidentes da AMB, Henrique Nelson Calandra, e da Assembleia Legislativa, Jerson Domingos, em reunião na manhã desta quarta-feira. (Foto: Divulgação)Presidentes da AMB, Henrique Nelson Calandra, e da Assembleia Legislativa, Jerson Domingos, em reunião na manhã desta quarta-feira. (Foto: Divulgação)

Mato Grosso do Sul deve contar com um órgão colegiado em 1º grau para ampliar a segurança de juízes com medidas como a permissão de seguranças armados nos tribunais. O projeto deve ser enviado à Assembleia Legislativa pelo TJ/MS (Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul).

O presidente da AMB (Associação dos Magistrados Brasileiros), Henrique Nelson Calandra, pediu apoio para a instalação do órgão em reunião com os deputados estaduais na manhã desta quarta-feira na presidência da Assembleia Legislativa.

Ele esteve acompanhado do presidente do TJ/MS, desembargador Joenildo de Sousa Chaves, e o presidente da Amansul (Associação dos Magistrados de Mato Grosso do Sul), juiz Olivar Coneglian.

O pleito do presidente da AMB é feito em todas as Assembleias do País. A reivindicação ocorre por conta de lei sancionada recentemente que regula, entre outros assuntos, o processo e o julgamento colegiado em primeira instância de crimes praticados por organizações criminosas.

Estabelece que o colegiado seja formado pelo juiz do processo e outros dois juízes escolhidos por sorteio eletrônico, entre aqueles com competência criminal e que atuam no primeiro grau de jurisdição. A intenção é evitar a individualização da decisão, que põe em evidência o juiz que a proferiu.

A lei autoriza a adoção de medidas visando reforçar a segurança dos prédios da Justiça. A nova legislação foi motivada após o assassinato da juíza Patrícia Alcioli, no dia 11 de agosto de 2011. Ela foi morta, com 21 tiros, no momento que chegava à sua casa, em Niterói, na região metropolitana do Rio de Janeiro.

O presidente da AMB também mencionou o caso de um advogado morto dentro do Tribunal de Justiça do São José dos Campos (SP) por uma das partes no processo.

Reforma - Calandra afirmou ainda que a entidade tem se mobilizado, por todo País, para pedir melhorias no Código Penal Brasileiro.

“Não se pode julgar os criminosos que assassinam uma juíza com o mesmo rigor de quem roubava cavalos no século passado”, pontuou, acrescentando que os crimes de internet também devem ser analisados com maior profundidade.



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions