ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
MAIO, QUARTA  22    CAMPO GRANDE 24º

Política

"Não podemos aceitar invasão", diz governador sobre reforma agrária em MS

Governador deu declaração durante participação em evento da agricultura familiar em Dourados

Por Cassia Modena e Helio de Freitas | 16/04/2024 09:56
Em chegada a evento em Dourados, Eduardo Riedel conversa com a diretora de negócios da Embrapa nacional, Ana Euler; prefeito do município, Alan Guedes, aparece à esquerda (Foto: Helio de Freitas)
Em chegada a evento em Dourados, Eduardo Riedel conversa com a diretora de negócios da Embrapa nacional, Ana Euler; prefeito do município, Alan Guedes, aparece à esquerda (Foto: Helio de Freitas)

Em Dourados participando da feira Tecnofam (Tecnologias e Conhecimentos para a Agricultura Familiar), enquanto acampados de Mato Grosso do Sul pedem a retomada da reforma agrária no Incra (Instituto Nacional de Reforma Agrária) em Campo Grande, o governador Eduardo Riedel (PSDB) declarou que não serão toleradas invasões em propriedades rurais.

"O que nós aqui no Estado não podemos aceitar é invasão, isso não é democrático", falou o chefe do Executivo.

Ele também afirmou que o governo estadual tem tratado do assunto com o governo federal, e que sua gestão mantém posição clara em relação às reivindicações de terras para a criação de assentamentos, que podem ser puxadas por atos ligados ao movimento Abril Vermelho.

"O governo federal tem uma linha de avançar em programa de reforma agrária e é uma decisão deles que a gente respeita. Vimos acontecer ao longo dos anos uma série de situações da reforma agrária e, hoje, o que 'está aí' é reflexo dessa política de trás", comentou.

Prioridades - Riedel defendeu que a regularização de títulos de lotes já distribuídos e ocupados sejam a prioridade. "O que a gente tem que fazer é, primeiro, regularizar títulos. Acho que não deveria fazer reforma agrária sem regularização fundiária. Isso cria um transtorno muito grande lá para frente", disse.

O governador também citou que deve ser prioridade a infraestrutura no campo para os pequenos produtores. "É acesso à água, à estrada, à escola, à saúde, nos assentamentos que forem montados", exemplificou. E acrescentou que "todo o desenvolvimento que nós tivemos no agro[negócio] nos últimos anos deve estar disponível para a agricultura familiar".

Ato na Capital - Cerca de 600 acampados marcharam em direção à sede do Incra em Campo Grande nesta manhã.

Acampados bloquearam uma das faixas da Avenida Costa e Silva, em Campo Grande, nesta manhã (Foto: Henrique Kawaminami)
Acampados bloquearam uma das faixas da Avenida Costa e Silva, em Campo Grande, nesta manhã (Foto: Henrique Kawaminami)

O superintendente do órgão federal em Mato Grosso do Sul, Paulo Roberto da Silva, também participa da Tecnofam. Os manifestantes foram recebidos pela equipe.

Plano federal - Ontem (15), o presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) anunciou o início do programa Terra da Gente, que vai destinar terras para a reforma agrária no país. A proposta é obter terras para a reforma agrária com alternativas legais, além das formas tradicionais, como a desapropriação de áreas improdutivas e a regularização de terras públicas.

A meta do plano até 2026 é incorporar pelo menos 295 mil novas famílias ao Programa Nacional de Reforma Agrária. O cronograma de ações por Estado ainda não foi divulgado.

Receba as principais notícias do Estado pelo Whats. Clique aqui para acessar o canal do Campo Grande News e siga nossas redes sociais.

Nos siga no Google Notícias