ACOMPANHE-NOS    
AGOSTO, QUARTA  12    CAMPO GRANDE 23º

Política

‘O momento é de vida nova’, diz Tereza Cristina sobre a saída do PSB

Deputada de MS e outros três colegas pediram para sair do partido ontem

Por Anahi Zurutuza | 25/10/2017 11:19
Deputada durante sessão (Foto: Zeca Ribeiro/Câmara dos Deputados)
Deputada durante sessão (Foto: Zeca Ribeiro/Câmara dos Deputados)

Em carta de despedida, a deputada federal Tereza Cristina Corrêa da Costa Dias listou os feitos dela no comando do PSB (Partido Socialista Brasileiro) em Mato Grosso do Sul, lembrou das parcerias que fez e destacou que o momento é de “vida nova”, sem citar para qual legenda vai migrar.

A parlamentar pediu desfiliação do PSB na noite desta terça-feira, dia 24. A oficialização aconteceu um dia antes da votação da segunda denúncia contra o presidente da República, Michel Temer (PMDB), na Câmara dos Deputados.

Segundo o jornal Valor Econômico, além de Tereza Cristina, também os deputados Fábio Garcia (MT), Danilo Forte (CE) e Adilton Sachetti (MT) pediram para deixar o partido.

Carta – A deputada de Mato Grosso do Sul abriu o texto agradecendo. “Agradeço a todos os filiados do PSB e amigos que fiz ao longo deste período, responsáveis por juntos construir um partido onde praticamos a boa política e por fortalecer o PSB em inúmeros municípios de Mato Grosso do Sul”.

Ela ainda listou na carta que durante a gestão dela, o PSD conquistou cinco prefeituras – Aparecida do Taboado, Angélica, Coxim, Jateí e Selvíria –, além de cinco vice-prefeituras e 62 cadeiras nas câmaras municipais de 46 cidades em todo o Mato Grosso do Sul.

“Tive a satisfação de ajudar a construir um grupo político forte e de caminhar ao lado de pessoas honradas, leais, companheiras e aguerridas. O momento é de vida nova, mas deixo amigos e companheiros no PSB dos quais me orgulho e o ideal comum de liberdade e progresso continuará a nos inspirar”, também escreveu.

Conflito – Tereza Cristina contrariou a orientação nacional do partido de forma contra reforma trabalhista proposta pelo presidente Michel Temer (PMDB), aprovada em julho. Foi quando começou o impasse entre ela e a legenda.

A saída da parlamentar e dos outros três deputados também ocorre às vésperas da decisão do diretório nacional que oficializaria a expulsão deles. A reunião aconteceria na sexta-feira, dia 27.

Ao Campo Grande News, no dia 23 de outubro, a deputada de MS confirmou que sairia do PSB, provavelmente antes da votação da denúncia contra o presidente. Ela ponderou que tem conversas adiantadas com o PMDB e DEM, mas que ainda não decidiu para qual partido vai se filiar.