A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Segunda-feira, 21 de Agosto de 2017

15/04/2014 13:37

Oposição e situação trocam farpas sobre investigação do Gaeco

Graziela Rezende e Kleber Clajus
Investigação do Gaeco e visita à Olarte na sexta-feira foram hoje principal tema de debate entre vereadores (Foto: Kleber Clajus)Investigação do Gaeco e "visita" à Olarte na sexta-feira foram hoje principal tema de debate entre vereadores (Foto: Kleber Clajus)

A busca e apreensão realizada pelo Gaeco (Grupo de Atuação Especial e Combate ao Crime Organizado) na casa do prefeito Gilmar Olarte (PP) repercutiu, nesta terça-feira (15), na Câmara Municipal de Campo Grande. Para a oposição o progressista mente ao afirmar que recebeu “a entrega de um ofício” na sexta-feira (11), já a situação rebateu que a investigação sigilosa é “algo normal”.

“Ele mente quando diz que foram apenas entregar um ofício quando, na verdade, realizaram busca e apreensão por meio de um mandado judicial. Se o prefeito quiser recuperar a sua dignidade, que apresente a verdade”, afirmou a vereadora Luíza Ribeiro (PPS), embasando as críticas em nota oficial publicada por Olarte em jornais da Capital.

Para o vereador Paulo Pedra (PDT), busca e apreensão é muito diferente de notificação. “O prefeito mente com o dinheiro da prefeitura quando faz uma publicação como essa no jornal”, comentou, lembrando que amanhã o Gaeco promove coletiva sobre o caso.

Em defesa do prefeito, o vereador Chiquinho Telles (PSD) disse que o “tiro (da oposição) pode sair pela culatra”, uma vez que a investigação teve início durante a gestão do ex-prefeito Alcides Bernal (PP).

O líder do prefeito, vereador João Rocha (PSDB) pediu que a oposição prove o que afirma ser mentira, do contrário isso seria uma calúnia contra Olarte.

Paulo Siufi (PMDB) também comentou que a Justiça existe para averiguar fatos e aproveitou para alfinetar a oposição. “Se for para colocar todo mundo que mente, o nariz vai chegar até Terenos. Não acredito que o prefeito esteja mentindo. Principalmente porque ouvi muita coisa nesses dez anos em que a pessoa volta atrás e depois muda de lado”, reforçou.

Sobre a visita do Gaeco ao prefeito, o vereador Carlos Augusto Borges, o Carlão (PSB), ressaltou que busca e apreensão durante uma investigação é algo normal. “Eu já recebi policiais em minha casa com intimações e também fui policial por 12 anos, é algo normal”, explicou.

Já o vereador Ayrton Araújo (PT) disse que não se pode perder outro ano falando só do prefeito e Airton Saraiva (DEM) que a Justiça é quem irá definir quem fala ou não a verdade.

Promotor já ouviu 4 em investigação sigilosa do Gaeco sobre a prefeitura
O promotor Marcos Alex Vera, do Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco) já ouviu em São Paulo ex-assessor Ronan Edson Feitos...
Promotor vai a SP ouvir ex-assessor da prefeitura preso pelo Gaeco
O promotor Marcos Alex Vera foi a São Paulo ouvir o ex-assessor da prefeitura de Campo Grande, Ronan Edson Feitosa de Lima. Ele foi preso em função d...
Preso a pedido do Gaeco em investigação sigilosa já teve condenação por roubo
O delegado João Eduardo Davanço, da Delegacia Especializada de Combate ao Crime Organizado (Deco) de Mato Grosso do Sul, confirmou neste sábado que S...



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions