A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sábado, 16 de Dezembro de 2017

17/04/2013 22:20

Para pressionar Bernal, agentes vão diminuir ritmo de trabalho

Conforme o presidente do sindicato, Marcos Tabosa, agentes trabalham além do preconizado pelo Ministério da Saúde

Nyelder Rodrigues
Servidores também fizeram indicativo de greve e de passeata, sem data definida ainda (Foto: João Garrigó/Arquivo)Servidores também fizeram indicativo de greve e de passeata, sem data definida ainda (Foto: João Garrigó/Arquivo)

A assembleia dos agentes comunitários de saúde da Prefeitura de Campo Grande terminou nesta noite com um indicativo de greve e uma passeata com data ainda a ser definida para acontecer.

Durante a assembleia os agentes também foram orientados a trabalharem conforme o Ministério da Saúde preconiza e o que foi pactuado com a prefeitura. Segundo tabela de trabalho do ministério, cada servidor deve visitar 0,85% famílias por dia.

Segundo Marcos Tabosa, presidente do Sisem (Sindicatos dos Servidores e Funcionários Municipais de Campo Grande) esse número não estava sendo respeitado. “Eles estavam fazendo mais de 1% de visita/dia. Uma média correspondente a 160 famílias por mês”, explicou.

O encontro aconteceu na sede do Sisem. Conforme Tabosa, as outras categorias representadas pelo sindicato na Capital devem se reunir na próxima quarta-feira (24) para discutir várias questões.

Ainda de acordo Tabosa, todas as pautas tratadas na reunião desta noite foram aprovadas, e a tendência é que o indicativo de greve e a realização de uma passeata também sejam aprovados na assembleia das outras categorias.

“O prefeito não chamou o sindicato para conversar e não fez contraproposta de nenhuma das 28 propostas enviadas por nós”, contou o sindicalista, acrescentando que Alcides Bernal tem até o dia 20 para dar uma resposta aos servidores.

As negociações entre o sindicato e a Prefeitura já se arrastam por mais de três meses, e até o momento houve pouca evolução e muita paciência por parte dos servidores, que reivindicam reajustes salariais compatíveis ao oferecido em anos anteriores, além da continuidade das bonificações no salário.

Temas como o fim da meta de oito horas trabalhadas por dia, o não pagamento integral dos R$ 950 repassados pelo Governo Federal por meio do programa prófuncionário, a demora na efetivação do Plano de Cargos e Carreiras e a proposta de reajuste salarial enviada ao prefeito foram debatidos.

“Até agora ele não se posicionou e segue irredutível. Se conseguirmos o avançarmos como foi feito ano a ano anteriormente, já estamos com tudo preparado para iniciar uma greve”, revela o presidente do Sisem. A paralisação pode se estender as demais categorias, se tornando uma greve geral dos servidores municipais.

Temer diz que adiamento da reforma da Previdência foi 'ótimo' para ganhar votos
O presidente Michel Temer procurou mostrar otimismo ao falar sobre a reforma da Previdência ao dar posse ao deputado federal Carlos Marun (PMDB-MS) c...
Diretor da PF entrega ao STF relatório de investigação sobre ministros
O diretor-geral da Polícia Federal, Fernando Segóvia, entregou hoje (15) à ministra Cármen Lúcia, presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), um re...
TRE realiza plantão para cadastramento biométrico neste sábado na Capital
O TRE-MS (Tribunal Regional Eleitoral de Mato Grosso do Sul) realiza neste sábado mais um plantão para atender eleitores de Campo Grande que ainda nã...


imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions