A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quinta-feira, 17 de Agosto de 2017

27/09/2014 19:58

Principais chefes do Executivo no Estado pouco aparecem na campanha

Ludyney Moura
A atuação de Puccinelli na campanha têm sido discreta (Foto: Marcelo Victor)A atuação de Puccinelli na campanha têm sido discreta (Foto: Marcelo Victor)
Já o prefeito Gilmar Olarte prefere manter o discurso de neutralidade nas eleições (Foto: Marcelo Calazans) Já o prefeito Gilmar Olarte prefere manter o discurso de neutralidade nas eleições (Foto: Marcelo Calazans)

Diferente de 2012, quando chegou a cogitar pedir licença do cargo para auxiliar na campanha de seu partido, o governador André Puccinelli (PMDB), vem mantendo uma participação muito mais discreta na corrida eleitoral deste ano.

O governador tem mantido o discurso de que apoia os dois candidatos cabeça de chapa do PMDB nestas eleições, Nelsinho Tra, candidato ao Governo do Estado, que o sucedeu em 2005 na Prefeitura da Capital, e Simone Tebet, sua vice-governadora e candidata peemedebista à vaga no Senado Federal, mas até mesmo sua aparição no programa eleitoral gratuito do partido tem sido rara e tímida. 

Algumas lideranças políticas peemedebistas, como o senador Waldemir Moka e deputado Junior Mocchi, presidente regional da legenda, afirmam que a atuação de Puccinelli na campanha majoritária de 2014 tem acontecido principalmente nos bastidores da política estadual.

André é inclusive apontado como um dos principais articuladores da chamada “arrancanda do 15”, uma estratégia do PMDB que uniu lideranças do interior e da Capital numa agenda que intensificou chamada corpo a corpo com o eleitor sul-mato-grossense.

No último final de semana antes do primeiro turno das eleições, Puccinelli cumpriu agenda institucional no município de Aquidauana, onde autorizou a pavimentação asfáltica da rodovia MS-450.

Capital – Outro chefe de Executivo que está distante das eleições é o prefeito da Capital, Gilmar Olarte (PP). O progressista, que assumiu a Prefeitura em março de 2014 depois da cassação de Alcides Bernal (PP), enfrenta uma forte oposição dentro do próprio partido, comandado por seu adversário e antecessor.

Olarte têm afirmado à imprensa que o foco de seu trabalho é a cidade e não política, todavia tem procurado manter, mesmo que internamente, um bom relacionamento com os principais candidatos ao cargo de André Puccinelli, principalmente no que tange a não tecer críticas a quem disputa o pleito, incluindo ai o candidato de seu partido, Evander Vendramini, aliado político de Bernal.

Ainda tem o que entregar sobre Michel Temer em delação, diz Funaro
O corretor de valores Lúcio Bolonha Funaro, preso na Papuda, em Brasília, disse nesta quarta (16) que "ainda tem" o que entregar sobre o presidente M...
Sem consenso, Câmara adia votação da reforma política
Sem consenso e diante de muita polêmica, o plenário da Câmara dos Deputados adiou na noite desta quarta-feira (16) a votação do texto-base de parte d...



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions