ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
FEVEREIRO, SEGUNDA  26    CAMPO GRANDE 33º

Política

Reinaldo apresenta projeto de redução do ICMS do diesel amanhã à AL

Priscilla Peres e Leonardo Rocha | 16/06/2015 11:06
Governador irá pessoalmente entregar o projeto aos deputados(Foto: Marcelo Calazans)
Governador irá pessoalmente entregar o projeto aos deputados(Foto: Marcelo Calazans)

O deputado estadual Rinaldo Modesto (PSDB) confirmou hoje, que o governador Reinaldo Azambuja (PSDB) vai à Assembleia Legislativa amanhã, às 8h, para entregar o projeto de lei que prevê a redução da alíquota de ICMS (Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços) dos atuais 17% para 12%.

O projeto que é um pedido antigo do setor de transportes, vai vigorar em fase de teste por seis meses, de 1° de julho a 31 de dezembro de 2015. Nesse período, o intuito do governo é que a redução do preço do combustível chegue até a bomba para os consumidores e em consequência, aumente o consumo em MS.

Se depois de seis meses, o consumo de diesel no estado não aumentar ao ponto de suprir a redução do imposto, a alíquota volta ao normal (17%). "Sabemos que diminuir a alíquota do diesel impacta todo o setor produtivo. Essa nossa ação já defendíamos na campanha, enquanto muitos governos então aumentando impostos , nós vamos diminuir, explica.

De acordo com o governo, o Sinpetro /MS (Sindicato do Comércio Varejista de Combustíveis) garantiu que a redução da alíquota vai chegar até o consumidor, ou seja, que os postos vão reduzir o preço do diesel de acordo com o valor do imposto. O próprio sindicato foi quem elaborou o projeto, atestando a viabilidade da mudança.

A intenção é que principalmente os caminhoneiros, deixem de abastecer nos estados vizinhos e passem a encher o tanque nos postos sul-mato-grossense. No início deste ano, Reinaldo enfrentou reivindicações e protestos do setor de transporte, que pede a redução da alíquota para a continuidade dos trabalhos. Eles alegam que o estado perde competitividade ao manter a cobrança de 17%, frente aos vizinhos.

Nos siga no Google Notícias