ACOMPANHE-NOS    
AGOSTO, SEXTA  07    CAMPO GRANDE 19º

Política

Reinaldo põe corte de gastos entre metas imediatas do novo mandato

Governador reeleito, em entrevista coletiva, afirma que se reunirá com secretários para pedir ações de enxugamento; despesas com pessoal e custeio entram na mira

Por Humberto Marques e Leonardo Rocha | 01/01/2019 15:42
Reinado, ladeado de Junior Mochi e do vice Murilo Zauith, anunciou reunião com staff para discutir medidas de enxugamento. (Fotos: Henrique Kawaminami)
Reinado, ladeado de Junior Mochi e do vice Murilo Zauith, anunciou reunião com staff para discutir medidas de enxugamento. (Fotos: Henrique Kawaminami)

Após um primeiro mandato marcado pela crise econômica e uma reconhecida queda de receita, o governador Reinaldo Azambuja (PSDB) reiterou nesta terça-feira (1º) expectativas positivas quanto à nova gestão estadual, para a qual toma posse em solenidade na Assembleia Legislativa, em Campo grande. Durante entrevista coletiva concedida antes da cerimônia, ele apontou que terá entre as metas para os próximos anos o corte de gastos –inclusive com o funcionalismo– e a defesa, junto ao governo federal, de melhorias nas áreas de Saúde e Segurança Pública.

Aos jornalistas, Reinaldo fez um breve balanço do primeiro mandato, durante entrevista na sala da presidência da Assembleia. Segundo ele, a primeira gestão teve resultados positivos “principalmente pelo momento de crise que o Estado passou. Mesmo assim, diante da recessão, enfrentamos a dificuldade financeira e fizemos investimentos importantes no Estado”.

Segundo ele, a situação foi entendida e o empenho reconhecido pela sociedade, “tanto que tive aprovação para um segundo mandato”. O governador disse que, para o novo ciclo administrativo, o sentimento é de otimismo, “principalmente em função da retomada do crescimento em nível nacional”. “E o Estado já fez reformas e ajustes importantes que serão essenciais para este novo momento da economia”, declarou, referindo-se à redução da máquina administrativa, políticas econômicas e enxergando “um ambiente muito melhor que o de quando assumi, em 2015”.

Metas – Reinaldo Azambuja disse que sua intenção é cumprir propostas feitas durante a campanha, mesmo com um primeiro cenário preocupante: o governador voltou a se queixar sobre a falta de repasse de R$ 100 milhões referentes a ressarcimentos da Lei Kandir (que isenta de impostos produtos primários voltados à exportação), um dos fatores responsáveis pela queda de receita.

Reinaldo põe corte de gastos entre metas imediatas do novo mandato

“O Estado já fez reformas e ajustes importantes que serão essenciais para este novo momento da economia”

O governador reeleito disse que pretende levar o tema ao presidente Jair Bolsonaro (PSL) nos próximos dias. E, em função da perda de receitas, pretende ampliar o controle das finanças a partir da redução do custo da máquina pública “e, mais urgentemente, diminuir a folha de pagamento e os gastos com pessoal, começando pelos servidores comissionados”.

A estratégia de enxugamento de despesas inclui, ainda, redução de contratos de terceirização e novas ações para otimizar compras públicas, que incluem a participação em atas nacionais –com outros Estados e a União– para realizar compras coletivas, com preço menor. A intenção é usar essa tática em áreas como Saúde e Segurança Pública.

Detalhes sobre o enxugamento serão discutidos nesta quarta-feira (2) em reunião entre Reinado e parte de seu staff, na Governadoria. Secretários e presidentes de fundações receberão pedido para reduzirem despesas e melhorem a eficiência nos gastos.

Setores – Reinaldo também destacou ações para setores que considera estratégicos. Sobre a Saúde, disse ter recebido “a boa notícia” de um depósito, por parte da União, para o projeto do Hospital Regional de Dourados, cuja obra foi lançada em junho de 2018 em uma área na BR-463, no acesso a Ponta Porã. O investimento na obra supera os R$ 25 milhões em recursos estaduais e federais. Recursos de emendas parlamentares devem garantir equipamentos para a unidade.

Governador confirmou chegada de recursos para obras do Hospital Regional de Dourados. (Foto: Henrique Kawaminami)
Governador confirmou chegada de recursos para obras do Hospital Regional de Dourados. (Foto: Henrique Kawaminami)

Também na saúde, o governador reeleito destacou a intenção de finalizar a regionalização no interior, bem como a continuidade da Caravana da Saúde.

Em relação à Segurança Pública, ele afirmou que “o foco é rever a política de fronteira com o presidente Bolsonaro”. Ele destacou números nacionais que colocam Mato Grosso do Sul como o terceiro Estado mais seguro do país, apesar da situação de constante tensão na fronteira –a qual, frisou o governador, terá prioridade nas ações.

Reinaldo também reforçou a intenção de criar incentivos diferenciados para empresas que abram oportunidades de trabalho para jovens e mulheres vítimas de violência. “Vou formalizar neste primeiro mês como ele funcionará junto à equipe de finanças”.

O governador ainda demonstrou expectativas com a nomeação de dois ministros do Estado na equipe de Bolsonaro – Tereza Cristina na Agricultura e Luiz Mandetta na Saúde. “Eles terão um olhar diferenciado para Mato Grosso do Sul, apesar de terem de cuidar do país inteiro”.

Por fim, o governador destacou que pretende continuar a boa relação com a Assembleia, “como tive no primeiro mandato, quando consegui aprovar todas as reformas e ajustes que precisamos fazer no governo. Sinto-me grato pela ajuda que os deputados nos deram”.