ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
FEVEREIRO, QUARTA  21    CAMPO GRANDE 22º

Política

Secretária diz que vai cumprir lei "antigarranchos", mas imprimir receita é caro

Em ação movida há 10 anos, Justiça mandou médicos darem receitas digitadas e não escritas à mão

Por Caroline Maldonado e Idaicy Solano | 11/02/2024 10:29
Secretária Municipal de Saúde, Rosana Leite, na USF (Unidade de Saúde da Família) do Bairro Guanandi, na manhã deste domingo (11). (Foto: Marcos Maluf)
Secretária Municipal de Saúde, Rosana Leite, na USF (Unidade de Saúde da Família) do Bairro Guanandi, na manhã deste domingo (11). (Foto: Marcos Maluf)

Em ação protocolada pela Defensoria Pública há 10 anos, a Justiça determinou que a Prefeitura de Campo Grande cumpra a lei estadual que obriga médicos a fornecerem pedidos de exames e receitas digitadas e impressas e não escritas à mão, mas a Procuradoria-Geral do Município recorreu, em janeiro deste ano, alegando inconstitucionalidade. Ainda assim, na manhã deste domingo (11), a secretária Municipal de Saúde, Rosana Leite, disse que a prefeitura vai cumprir a lei, mas não há previsão de quando e, no momento, prioriza o planejamento para lançar um sistema com receita digital.

A secretária explicou que custa caro colocar impressora em cada consultório e a internet precisa de melhorias para dar conta do fluxo de impressões. Ela destaca que são mais de 100 unidades de saúde na Capital e é preciso um planejamento para equipar todas para atenderem a legislação.

Apesar de informar que pretende cumprir a lei, Rosana enfatizou que a prefeitura quer que os usuários do SUS (Sistema Único de Saúde) aprendam a usar, cada vez mais, os sistemas digitais.

Atualmente, é possível ter acesso a resultados de exames laboratoriais pela internet e está nos planos da secretaria a criação de um sistema digital para receitas.

Rosana enfatizou que a inclusão digital é o melhor caminho para preservar o meio ambiente, pois diminui o número de impressões e economiza papel.

“As leis devem ser cumpridas e somos a favor disso, porém, por isso é muito importante o Legislativo conversar com o Executivo. Muitas vezes, tem uma lei maravilhosa, mas como que vou implementar? Às vezes a gente não consegue. Parece simples, né? Mas eu tenho que ter não só a impressora. Tenho que ter wi-fi, eu tenho que ter a rede”, disse Rosana durante lançamento da vacinação contra a dengue na USF (Unidade de Saúde da Família) do Bairro Guanandi, na manhã deste domingo (11).

A ação foi movida na 1ª Vara de Direitos Difusos, Coletivos e Individuais Homogêneos, em função de contantes reclamações sobre "garranchos" dos médicos, por meio dos quais os pacientes não conseguem identificar a medicação prescrita e orientações de como tomar.

Por conta dos feriados de Carnaval e Quarta-Feira de Cinzas, o prazo de 15 dias para que alguma das partes se manifeste na ação vencerá no dia 26 de fevereiro.

Nos siga no Google Notícias