A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quarta-feira, 19 de Setembro de 2018

29/06/2018 10:07

Senador vai trazer ministros para discutir segurança na fronteira em MS

Encontro marcado para o dia 19 de julho, terá a presença dos ministros Raul Jungmann (Segurança) e o general Joaquim Siklva e Luna (Defesa)

Leonardo Rocha
Senador Pedro Chaves (PRB) durante entrevista sobre evento (Foto: Marina Pacheco)Senador Pedro Chaves (PRB) durante entrevista sobre evento (Foto: Marina Pacheco)

O senador Pedro Chaves (PRB) vai promover no próximo dia 19 de julho, evento com a participação dos ministros Raul Jungmann (Segurança) e o general Joaquim Silva e Luna (Defesa), em Campo Grande, para discutir segurança na fronteira de Mato Grosso do Sul. O objetivo é que seja debatido ações de inteligência das policias, combate ao tráfico de drogas, além de ações para desenvolver a região.

Em entrevista ao Campo Grande News, Chaves explicou que o evento também terá a participação da Polícia Federal, Ministério Público e CMO (Comando Militar do Oeste), Abin (Agência Brasileira de Inteligência), Forças Armadas, membros do Judiciário, Legislativo e Executivo. Apesar da data confirmada, ainda não definiu o local do encontro.

“Vamos fazer este amplo debate e esperamos que as autoridades encontrem medidas efetivas de segurança, além de pensar na questão de desenvolvimento, para fomentar empregos, abrir novas empresas gerando renda para a população local”, disse o senador.

Foi aberta uma Frente Parlamentar sobre segurança na fronteira, que vai rodar várias cidades do Brasil, começando a discussão em Mato Grosso do Sul, pela divisa com Paraguai e Bolívia. “A fronteira é a entrada do contrabando e do tráfico em nosso país, por isso, precisamos de apoio político para defende-la e garantirmos maior segurança”.

Uma das pautas é que os altos índices de violência em São Paulo e Rio de Janeiro, que inclusive está sob intervenção, precisa ser pensada na entrada de drogas e armas na fronteira, que neste momento tem forte ação do crime organizado, já que há 17 mil quilômetros de fronteira seca e 7,5 mil (fronteira) marítima no Brasil.

Fiscalização – Chaves garante que uma das ações é a retomada de investimentos do Sisfron (Sistema Integrado de Monitoramento de Fronteiras), que tiveram corte de gastos nos últimos anos, não tendo o funcionamento efetivo, com sua base em Dourados. “Vai voltar a funcionar, existe um empenho do governo federal para que estes recursos se segurança sejam garantidos”.

Outra preocupação é com a geração de emprego e renda, para que a região possa ter diversidade econômica e assim gerar mais desenvolvimento. “Estamos a frente da proposta que desonera de tributos para instalação de free shops na fronteira, para melhorar turismo, economia e renda, o que vai gerar mais policiamento”.



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions