A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Segunda-feira, 18 de Dezembro de 2017

07/03/2013 14:34

Simone diz que o PMDB está “mais próximo do PT do que do PSDB”

Zemil Rocha e Luciana Brazil
Simone durante homenagem às mulheres esta manhã na Assembleia (Foto: Giuliano Lopes)Simone durante homenagem às mulheres esta manhã na Assembleia (Foto: Giuliano Lopes)

A vice-governadora Simone Tebet (PMDB) disse esta manhã, durante evento na Assembleia Legislativa, que seu partido tem mais possibilidade hoje de fechar aliança com o PT na sucessão estadual do que com o PSDB. “Na minha opinião, estamos mais próximos do PT do que do PSDB”, declarou ela aos jornalistas.

Simone elencou três motivos pelos quais uma coligação entre o PMDB e o PT é atualmente mais provável para a eleição de 2014.

O primeiro deles é a facilidade de já haver aliança em nível nacional. “Por conta do governo federal, onde temos aliança entre os dois partidos, além do que a Dilma tem carinho muito grande pelo André”, justificou ela.

Como segundo motivo, Simone cita o relacionamento difícil que se estabeleceu entre PMDB e PSDB nas eleições municipais do ano passado e também nas suplementares de Bonito e Sidrolândia, realizada no último final de semana. “A relação entre PMDB e PSDB saiu muito desgastada depois do processo eleitoral municipal”, afirmou a vice-governadora. “Não chegou a romper , mas desgastou a relação”, insistiu.

A terceira motivação para que o PMDB busque acordo eleitoral com o PT, segundo Simone Tebet, é que as lideranças petistas regionais estão mais propensas ao entendimento do que no passado, quando viam os peemedebistas como adversários irreconciliáveis. “Com o PT teria mais facilidade de diálogo”, ponderou.

Cabeça de chapa – Um possível acordo com o PT, na avaliação de Simone, não significa que o PSDB tenha necessariamente de aceitar que um petista seja o candidato a governador. “Não significa que vamos deixar de ter cabeça de chapa”, observou ela.

A opção de apoio a um candidato do PT ou do PSDB é que muda, dependendo do cenário, esclareceu a vice-governadora. “É mais fácil a gente ter um palanque para o candidato da Dilma do que para um do PSDB”, explicou.

Sobre sua pré-candidatura ao Senado, Simone Tebet deixou claro que se trata de apenas uma possibilidade. “Não se impõe nada sobre candidatura. Não quero atrapalhar nenhuma parceria”, garantiu a peemedebista.

Simone lembrou que há também a possibilidade de o governador André Puccinelli ser candidato a senador para facilitar essa aliança.

 

Assembleia recebe prestação de contas e fará limpeza de pauta antes do recesso
A última semana de trabalho do Poder Legislativo de Mato Grosso do Sul em 2017 será aberta com a audiência pública para prestação de contas do govern...
Assembleia vota prorrogação de adesão a fundo que regula incentivos fiscais
A prorrogação até 30 de dezembro do prazo para que empresas beneficiadas com incentivos fiscais concedidos pelo governo do Estado se inscrevam no Fad...
Governo do Estado investe R$ 9,2 milhões em infraestrutura em Caracol
Caracol vai receber mais de R$ 2,8 milhões em obras a serem executadas pelo Governo do Estado em parceria com a prefeitura e deputados federais e est...


imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions