ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
MAIO, SEGUNDA  20    CAMPO GRANDE 17º

Política

Sindicato dos guardas entra com ação contra vereadores

Em sessão, Marcos Tabosa e Tiago Vargas afirmaram que sindicato pediu veto de emenda sobre periculosidade

Por Mylena Fraiha | 06/02/2024 18:40
Guardas municipais ficam de braços dados após falas em sessão na Câmara dos Vereadores (Foto: Reprodução/Youtube)
Guardas municipais ficam de braços dados após falas em sessão na Câmara dos Vereadores (Foto: Reprodução/Youtube)

SindGM-CG (Sindicato dos Guardas Municipais de Campo Grande) protocolou uma ação na Justiça contra os vereadores da Câmara Municipal de Campo Grande, Marcos Tabosa (PDT) e Tiago Vargas (PSD), após falas "polêmicas" de ambos durante a sessão plenária da Câmara Municipal desta terça-feira (6).

Na ocasião, o vereador Marcos Tabosa teria afirmado que em 2021 o presidente do SindGM-CG, Hudson Bonfim, e o vice, Alberto da Costa Neto, teriam realizado um acordo com a antiga gestão para vetar ou manter o veto contra uma emenda parlamentar que garantia o pagamento da gratificação de periculosidade aos Guardas Municipais.

"Vieram nesta casa pedir para os vereadores votarem contra a periculosidade das vossas excelências", afirmou Tabosa durante fala na sessão de hoje.

Já o vereador Tiago Vargas, que era o presidente da comissão de segurança pública da casa em 2021, afirmou que foi procurado pela liderança do SindGM-CG para vetar a emenda parlamentar.

Alvos da ação, vereadores Marcos Tabosa e Tiago Vargas discursam durante sessão ordinária na Câmara dos Vereadores (Foto: Reprodução)
Alvos da ação, vereadores Marcos Tabosa e Tiago Vargas discursam durante sessão ordinária na Câmara dos Vereadores (Foto: Reprodução)

Entretanto, após as falas, o SindGM-CG protocolou uma ação contra os vereadores para que apresentem os documentos que alicerçam tal alegação. "Impõe grave dano à imagem do sindicato e dos seus diretores, sendo cabível a presente interpelação para que venha a lume o suposto abaixo-assinado mencionado aos gritos pelo aludido vereador Tabosa", diz o sindicato no documento judicial.

No documento, o SindGM-CG também aponta que as falas dos vereadores levantaram "dúvidas sobre a idoneidade moral do sindicato e de seus diretores", afirma em trecho da interpelação judicial encaminhada à Vara Cível Residual da Comarca de Campo Grande.

Os pedidos da interpelação incluem a intimação dos vereadores para prestarem esclarecimentos, o pagamento das custas processuais e a entrega dos autos aos autores após a finalização do processo.

Além disso, requerem um prazo de 15 dias para a juntada de instrumento de procuração, conforme estipulado pelo estatuto da OAB (Ordem dos Advogados Brasileiros).

Respostas - Ao Campo Grande News, o vereador Tiago Vargas afirmou que "não retira uma vírgula" de suas falas feitas na manhã de hoje, na Câmara dos Vereadores.

"Ele [Bonfim] precisa assumir as responsabilidades. Na época, ele entrou em contato comigo e com outros vereadores para manter o veto da periculosidade e da insalubridade. Agora, se ele fez acordos escusos e esses acordos não foram cumpridos, ele não deve trazer a responsabilidade para dentro da Câmara de Vereadores e jogá-la sobre os vereadores", disse o vereador Tiago.

Ele também afirmou que está aberto a esclarecimentos futuros. "O meu telefone está disponível para quebra de sigilo e verdades aos fatos", disse.

A reportagem tentou contato com o vereador Marcos Tabosa. Em resposta, ele disse que o jurídico tomará "as devidas providências" quando receber a notificação.

Receba as principais notícias do Estado pelo Whats. Clique aqui para acessar o canal do Campo Grande News e siga nossas redes sociais.

Nos siga no Google Notícias