A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Segunda-feira, 18 de Dezembro de 2017

29/12/2014 21:51

TCE recorre ao STJ para indeferir ação do Governo a favor de nomeação de Arroyo

Daniel Machado
A nomeação do deputado Antônio Carlos Arroyo para a vaga de conselheiro no TCE-MS está suspensa por força de uma liminar do TJ-MS (Foto: Arquivo/Campo Grande News)A nomeação do deputado Antônio Carlos Arroyo para a vaga de conselheiro no TCE-MS está suspensa por força de uma liminar do TJ-MS (Foto: Arquivo/Campo Grande News)

Os conselheiros do Tribunal de Contas de Mato Grosso do Sul (TCE-MS), Waldir Neves, Iran Coelho das Neves, Ronaldo Chadid e Marisa Serrano, ingressaram nesta segunda-feira (29) com petição urgente solicitando o indeferimento liminar do pedido formulado pelo Estado de Mato Grosso do Sul que deseja derrubar a decisão liminar do Tribunal de Justiça de MS (TJ-MS) que suspendeu os efeitos da nomeação do deputado estadual Antônio Carlos Arroyo para o cargo de conselheiro do TCE-MS, por não preencher os requisitos legais.

De acordo com a petição do TCE-MS esse tipo de solicitação feita pelo Governo do Estado não se enquadra no artigo 4º da Lei 8.437/92 que somente admite o pedido de suspensão de liminar “em caso de manifesto interesse público ou de flagrante ilegalidade e para evitar grave lesão à ordem, à saúde, à segurança e à economia públicas”.

Para o TCE-MS a situação retratada nos autos do mandato de segurança, ou seja, a aposentadoria irregular de conselheiro do TCE-MS, que culminou com a nomeação de um novo membro, “nem de longe se amolda à hipótese legal do artigo 4º da Lei 8.437/92”. Para os autores da petição o pedido de suspensão de liminar formulado pelo Governo não deve ser admitido “já que não há manifesto interesse público, muito menos grave lesão à ordem, à saúde, à segurança e à economia públicas”.

Para melhor elucidar os fatos foram juntadas à petição as notas técnicas expedidas pelo TCE-MS tratando da questão e, ainda, a ata da Sessão Extraordinária de 18/12/14, onde se deliberou por unanimidade e com parecer do Ministério Público de Contas (MPC) “pela nulidade de qualquer ato praticado em benefício próprio pelo conselheiro José Ricardo Pereira Cabral”.

Os autores da petição destacam que o TCE-MS encontra-se em recesso e deve retornar às suas atividades apenas em 01 de fevereiro de 2015, “não tendo qualquer urgência ou relevância a solução deste caso via Pedido de Suspensão de Liminar (PSL) junto ao STF”. A decisão do TCE-MS de anular os atos praticados pelo conselheiro José Ricardo Pereira Cabral foi encaminhada ao Ministério Público Estadual para as providências que se julgarem necessárias.

Histórico - A nomeação do deputado estadual Antônio Carlos Arroyo para ocupar uma vaga de conselheiro no Tribunal de Contas do Estado (TCE-MS) está suspensa por força de uma liminar concedida pela desembargadora de plantão do Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul (TJ-MS), Tânia Garcia de Freitas Borges.

De acordo com os conselheiros, o TCE-MS exerceu sua prerrogativa de “autotutela”, que é o poder da administração de corrigir os seus atos, revogando os irregulares ou inoportunos e anulando os ilegais. A partir da liminar fica suspensa a nomeação do deputado Arroyo até o julgamento final da ação, o que só ocorrerá ao término do recesso do judiciário, que acontece em 20 de janeiro de 2015.

Assembleia recebe prestação de contas e fará limpeza de pauta antes do recesso
A última semana de trabalho do Poder Legislativo de Mato Grosso do Sul em 2017 será aberta com a audiência pública para prestação de contas do govern...
Assembleia vota prorrogação de adesão a fundo que regula incentivos fiscais
A prorrogação até 30 de dezembro do prazo para que empresas beneficiadas com incentivos fiscais concedidos pelo governo do Estado se inscrevam no Fad...


imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions