ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
MAIO, SEGUNDA  27    CAMPO GRANDE 12º

Política

TCU conclui que obra do governo Zeca causou prejuízo de 52 milhões

Entre 1999 e 2002, foram investidos R$ 19,7 milhões na rede de irrigação em gleba no interior

MS em Brasília | 08/09/2022 10:59


Equipamentos de alto custo sucateados, comprados para obra sem finalidade social (Foto: Arquivo/Campo Grande News)
Equipamentos de alto custo sucateados, comprados para obra sem finalidade social (Foto: Arquivo/Campo Grande News)

Após exaustivas e demoradas auditorias realizadas por vários órgãos de controle, o Tribunal de Contas da União (TCU) concluiu que o governo de Zeca do PT, em Mato Grosso do Sul, causou prejuízo de R$ 52.790.999,30 aos cofres da União. A decisão foi tomada pelo plenário do tribunal na sessão de 24 de agosto passado, ao julgar recursos apresentados por três ex-dirigentes responsabilizados pelas irregularidades.

O processo teve origem em tomada de contas especial, instaurada em 2008 pelo extinto Ministério da Integração Nacional, em razão de irregularidades no Convênio 76/1999, cuja finalidade era dar continuidade a obras do projeto de irrigação da Gleba Santa Terezinha, localizada em Itaporã. O contrato teve vigência entre novembro de 1999 e outubro de 2002.

Decisão a que o MS em Brasília teve acesso (Acórdão nº 1958/2022) revela que os investimentos estimados nesse convênio eram, inicialmente, de R$ 10.393.276,00, repassados pelo Governo federal, e R$ 1.039.327,60 como contrapartida do Estado de Mato Grosso do Sul.

O projeto de irrigação na Gleba Santa Terezinha começou a ser executado em 1997, por meio do Ministério do Meio Ambiente, Recursos Hídricos e Amazônia Legal e depois pelo Ministério da Integração Nacional. Os repasses, entre 1997 e 2002, totalizaram R$ 19.399.746,55, mais de R$ 9 milhões sobre o valor inicial.

Area alagada onde obra foi realizada. (Foto: Arquivo)
Area alagada onde obra foi realizada. (Foto: Arquivo)

Irregularidades - Os auditores do TCU encontraram uma série de irregularidades no projeto e apontaram pelo menos 15 servidores federais e estaduais responsáveis pelo desperdício de dinheiro público. Entre as falhas, o fato de as obras terem sido realizadas em terras particulares, sem previsão de amortização dos investimentos e viabilidade econômica para os 183 pequenos e tradicionais parceleiros da gleba.

Também constataram que o empreendimento não teve nenhuma serventia aos assentados, “devido aos demasiados custos de operação e manutenção decorrentes do gigantismo das obras civis e instalações implantadas, não atingindo os objetivos pretendidos”.

Segundo o Tribunal, houve ainda falta de conhecimento do projeto pelos produtores, o despreparo das equipes estaduais e a falta de recursos financeiros para operação e manutenção do sistema. “Nem mesmo o perfil dos agricultores e sua capacidade de financiamento eram conhecidos”, justifica o relator do processo no TCU, ministro Benjamin Zymler.

Ministro Benjamin Zymler, do TCU (Divulgação/TCU)
Ministro Benjamin Zymler, do TCU (Divulgação/TCU)

Além do projeto de irrigação, houve repasse de R$ 2.181.313,76 para a pavimentação da estrada vicinal Ita-22, que liga a Gleba Santa Terezinha à rodovia MS-157, cuja aplicação foi considerada regular pelo TCU. “Embora a obras de irrigação não tenham atingidos seus objetivos, considerou-se que a rodovia atingiu sua função social, pois foi concluída e facilitou o acesso à gleba mencionada”, pondera Zymler.

Histórico - Em 2010, o Ministério da Integração Nacional impugnou a prestação de contas apresentada pelo Estado em virtude de a obra não atingir os objetivos do convênio assinado. Os prejuízos estimados aos cofres federais foram de R$ 10.393.276,00, em valores históricos. A Controladoria-Geral da União, em 2015, também concluiu pela irregularidade das contas.

Em agosto de 2019, no Acórdão nº 1924, o TCU chegou às mesmas conclusões e julgou irregulares as contas dos servidores responsáveis pelas assinaturas dos convênios entre os governos federal e estadual. Também apontou o montante dos prejuízos causados ao erário, que caiu para R$ 8,38 milhões. O valor, corrigido monetariamente, atinge a fabulosa quantia de R$ 52.790.999,30 (cálculos não oficiais).

Dutos caídos e abandonados (Campo Grande News)
Dutos caídos e abandonados (Campo Grande News)

Dos 15 servidores citados no início processo, apenas três foram responsabilizados. Rômulo de Macedo Vieira, ex-secretário do Ministério da Integração Nacional, e Pedro Luiz Teruel, ex-secretário de Habitação de Mato Grosso do Sul, por terem assinado o termo do convênio 76/1999, o plano de trabalho e o 1º Termo Aditivo; e Fernando Montenegro Cabral de Vasconcellos Filho, da Secretaria de Recursos Hídricos do Ministério do Meio Ambiente, responsável pelo parecer técnico favorável à celebração do convênio e dos termos aditivos.

Defesa dos acusados - Os responsáveis apresentaram dois novos recursos para tentar derrubar as condenações, ambos negados nos Acórdãos 2923/2019 e 1958/2022.

Fernando Montenegro Cabral de Vasconcellos Filho alegou a prescrição do débito, uma vez que ele só foi citado 18 anos depois da assinatura do primeiro parecer, favorável à assinatura do Convênio 76/1999. Culpou o governo de Mato Grosso do Sul pela execução falha do projeto, argumentou que as obras do Projeto Santa Terezinha foram realizadas e ressaltou que não geriu recursos públicos, tendo atuado apenas na assessoria técnica, sem poder de decisão.

Os réus tentaram derrubar a decisão pelo ressarcimento dos prejuízos em dois recursos, ambos negados pelo TC

Rômulo de Macedo Vieira alegou a nulidade de sua citação, ante a ausência de descrição detalhada da conduta tida como irregular. Argumenta que, ao assinar o Convênio 76/1999, termo aditivo e o plano de trabalho, não foi exigida completa e detalhada revisão das bases técnica e jurídica do Convênio 40/1997. Sustentou que não atuou com dolo ou erro grosseiro e que “não há nexo de causalidade entre a conduta imputada como irregular e o insucesso do projeto de irrigação na Gleba Santa Terezinha”, entre outras alegações.

Ex-secretário estadual e ex-deputado Pedro Teruel (Divulgação)
Ex-secretário estadual e ex-deputado Pedro Teruel (Divulgação)

A defesa de Pedro Luiz Teruel sustentou a suposta ausência de nexo causal entre sua conduta e o resultado, além da necessidade de se dar tratamento uniforme ao que fora decidido em relação aos agentes que atuaram exclusivamente no 4º Termo Aditivo ao Convênio 76/1999. Alegou também que a responsabilidade pelos problemas nos estudos de viabilidade deve ser imputada a outras secretarias estaduais, a exemplo da Secretaria de Estado do Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável.

Teruel explicou que a Secretaria de Obras Públicas, Habitação e Desenvolvimento Urbano de Mato Grosso do Sul, chefiada por ele à época, seria responsável somente pela execução das obras. Por fim, afirmou que, no momento da assinatura do pacto, não havia indícios de que o projeto não alcançaria os objetivos, existindo, na época, pareceres do Governo federal que reconheciam a regularidade da execução dos projetos.

Prescrição do débito - Em recursos formulados durante o processo, os réus pediram a prescrição dos débitos, argumentando que “pretensão punitiva” prescreveu em janeiro de 2008. O tribunal, no entanto, afirmou não haver razão para acolher os argumentos dos acusados.

A defesa de Fernando Montenegro Cabral de Vasconcellos Filho sustentou que “só veio a ser chamado ao processo para se defender em 2017, transcorrido o lapso temporal de 18 anos desde o parecer, de 06/10/1999, no qual examinou a pertinência da assinatura do Convênio 076/1999”.

Ouvido, o Ministério Público de Contas acolheu argumentos dos réus. “O Ministério Público manifesta-se no sentido de que o Tribunal delibere, em caráter definitivo quanto ao mérito, pela ocorrência da prescrição da pretensão ressarcitória e punitiva, com o conhecimento dos recursos interpostos e a consequente declaração de insubsistência do acórdão condenatório”, defendeu a procuradora-geral Cristina Machado da Costa e Silva.

“O MP manifesta-se pela deliberação, em caráter definitivo quanto ao mérito, pela ocorrência da prescrição da pretensão ressarcitória e punitiva” — Cristina Machado da Costa e Silva, procuradora-geral do MP

O relator, no entanto, manteve decisão anterior, de agosto de 2019: “Esta matéria já se encontra pacificada, no âmbito deste Tribunal em consonância com o STF no julgamento do Mandado de Segurança nº 26.210-9/DF, em 04/09/2008 e conforme a Súmula TCU 282, diz que as ações de ressarcimento movidas pelo Estado contra os agentes causadores de danos ao erário são imprescritíveis”.

Destaca que o ressarcimento dos prejuízos está mantido. Deixou de multar os responsáveis porque houve a prescrição da “pretensão punitiva”, conforme Acórdão 1441/2016. “Está mantido, por ora, o posicionamento jurisprudencial pela imprescritibilidade das condenações. Caso haja mudança, acolhendo-se a incidência do Código Civil ou da Lei 9.873/1999 aos processos de controle externo, é preciso reconhecer a prescrição do débito”, conclui o ministro Benjamin Zymler.

Nos siga no Google Notícias