A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sábado, 21 de Julho de 2018

17/10/2017 19:30

Votos dos três senadores de MS ajudam Aécio a retornar ao Senado

Peemedebistas seguiram orientação de voto do partido, enquanto Pedro Chaves contrariou a recomendação do PSC

Nyelder Rodrigues
Pedro Chaves e Simone Tebet horas antes da votação em plenário, em debate na Comissão de Assuntos Econômicos do Senado (Foto: Moreira Mariz/Agência Senado)Pedro Chaves e Simone Tebet horas antes da votação em plenário, em debate na Comissão de Assuntos Econômicos do Senado (Foto: Moreira Mariz/Agência Senado)

O mineiro Aécio Neves (PSDB) precisava de 41 votos a seu favor para garantir sua continuidade no Senado, derrubando a decisão do STF (Supremo Tribunal Federal) que o afastou do cargo em setembro. E por 44 votos, três deles de senadores de Mato Grosso do Sul, o tucano poderá retornar ao Congresso.

Tanto Waldemir Moka, Simone Tebet (ambos PMDB) e Pedro Chaves do Santos (PSC) votaram na não admissão do afastamento de Aécio - outros 26 senadores votaram sim, somando 70 votos. Não houve abstenções, mas dez faltas.

Os dois peemedebistas, no fim de setembro, também votaram a favor da questão ser analisada em plenário pelo Senado. Além do retorno ao cargo, Aécio não precisará mais cumprir recolhimento noturno.

Para garantir a rejeição do afastamento de Aécio, houve um atraso na sessão, para garantir a chegada do líder tucano Paulo Bauer (SC), que passou mal pouco antes da votação e precisou ir ao hospital. Ele conseguiu retornar para votar.

De acordo com a comentarista de política da Globo News, Cristina Lôbo, Aécio tinha apenas 41 votos garantidos, contando com o de Bauer, sendo que o parecer positivo dos senadores sul-mato-grossenses garantiu uma margem maior para Aécio.

Simone Tebet e Waldemir Moka votaram conforme a orientação do PMDB, enquanto Pedro Chaves dos Santos contrariou a orientação do PSC, que era pelo voto a favor do afastamento do senador mineiro.

A votação ocorreu após a maioria dos ministros do STF decidir, na semana passada, que o tribunal não pode afastar parlamentares por meio de medidas cautelares sem o aval do Congresso Nacional. No fim de setembro, a Primeira Turma da Corte havia decidido, por 3 votos a 2, afastar Aécio do exercício do mandato.

Para isso, foi analisado pedido da PGR (Procuradoria-Geral da República) no inquérito em que o tucano foi denunciado por corrupção passiva e obstrução de Justiça, com base nas delações premiadas dos executivos da J&F.

Por 44 votos a 26, Senado devolve o mandato ao tucano Aécio Neves
O plenário do Senado decidiu reverter a decisão da Primeira Turma do Supremo Tribunal Federal (STF) e, com isso, pôs fim ao afastamento parlamentar d...
Congresso terá semana com foco em denúncia contra Temer e retorno de Aécio
Nesta semana, as atenções de deputados e senadores estarão voltadas principalmente à análise pela Câmara da denúncia contra o presidente Michel Temer...
Senado adia outra vez sessão para salvar Aécio Neves
Por 50 votos a 21, os senadores resolveram adiar, mais uma vez, a sessão na qual a Casa decidiria se acataria ou não decisão da 1ª Turma do Supremo T...
Ministro do STF mantém Aécio afastado do cargo de senador
O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Edson Fachin negou há pouco recurso para suspender a decisão que determinou o afastamento do senador Aéc...


Os nossos senadores sempre desempenhando o papel dos "três patetas".
 
Critico em 17/10/2017 19:59:21
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions