A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sexta-feira, 15 de Novembro de 2019

13/10/2019 10:08

Gestão pública é o caminho contra a corrupção

Por Wagner Siqueira (*)

A corrupção é pré-requisito do desenvolvimento, já dizia Gunnar Myrdall, Prêmio Nobel de Economia, em 1974. Ou seja, esse mal é algo comum e enraizado na sociedade de modo geral. No entanto, o grande problema está na impunidade. A complacência com a corrupção tem sido o grande veneno dos governos.

Os efeitos colaterais são diversos. Eles geram as crises do nosso tempo, como a corrupção generalizada (tanto a governamental quanto a empresarial) e a escassez de líderes. Por exemplo, no lado social, observa-se as massas abandonadas sofrendo com a desigualdade. Na questão moral, provoca o aumento da hipocrisia e o cinismo diante dos fatos do cotidiano.

Da crise econômica, emerge o descontrole das variáveis financeiras. Essas questões muitas vezes são provocadas por conta do alto custo do desperdício e da irracionalidade de gestão, que acabam sendo mais danosos do que a corrupção. Tais fatores criam uma verdadeira montanha russa na vida de milhares de pessoas.

Outro dilema encontra-se entre a formação de gerentes e líderes. A sociedade tem capacitado gerentes eficazes, mas tem negligenciado a formação de lideranças. É só notar como tem se falado tanto em líderes e liderança. Porém, nunca se formou tantos gerentes para a conformação e a rotina.

Isso provoca ainda mais lacunas. Por exemplo, fala-se tanto em empreendedorismo e atitude empreendedora. Mas ainda se insiste em manter ambientes organizacionais que não dão espaço para voz e para participação de outros. Além disso, esquece-se de valorizar a contribuição e a liberdade de inovar e de ousar.

Esses problemas são fruto da erosão da autonomia institucional, a qual é tolhida de inúmeras formas. São as exigências governamentais e legais, os excessos de repartições burocráticas, as normas sindicais, as relações de trabalho conflitantes, as pressões de grupos de interesse contraditórios entre outros.

A reforma do governo é, de fato, bem mais difícil do que no setor privado. Os burocratas padecem de apego profissional pela homogeneidade. Há uma regra de ouro na gestão pública que precisa ser quebrada: nunca faça nada pela primeira vez.

Para se exercer a verdadeira gestão pública nos tempos que vivemos, é essencial encarar a inteligência artificial como o grande agente de mudança para acabar de vez com a burocracia. Infelizmente, o setor público não se mexe na era do Google.

É fundamental ressaltar ainda que somente a democracia tem o compromisso com a gestão pública, pois ela está sempre a serviço da cidadania, promovendo melhores condições para os cidadãos. Ela busca a garantia dos direitos individuais, o bem comum e o interesse coletivo. O mais importante: a gestão ágil, correta e justa cria obstáculos à corrupção.

(*) Conselheiro federal pelo Conselho Regional de Administração (CRA-RJ) e membro do conselho consultivo da região Metropolitana do Rio de Janeiro

Os 130 anos da república e os desafios contemporâneos
Instaurada ou, como aprendíamos na escola, proclamada a 15 de novembro de 1889, a República, forma de governo adotada pelo Brasil com a queda do Impé...
Pessoa em situação de rua na perspectiva do legislador
Basta andar pelas vias das grandes cidades brasileiras para constatar o significativo aumento de pessoas em situação de rua, popularmente chamados de...
Os diferentes impactos fiscais dos softwares importados
As contribuições para seguridade social PIS e Cofins são, sem dúvida, a espécie de tributo mais questionada perante as cortes superiores do País. Sua...
Dia Mundial da Diabetes: é hora de redobrar o cuidado
No dia 14 de novembro, é celebrado o Dia Mundial da Diabetes, desde 1991, quando a data foi criada pela International Diabetes Federation (IDF) e pel...
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions