A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quarta-feira, 20 de Setembro de 2017

11/01/2011 12:13

2011 e os "furúnculos" da presidente Dilma

Por Valdivo Begali (*)

Problemas procrastinados criaram situações que exigirão coragem da presidente; mudanças criarão oportunidades para os empresários que refinarem suas estratégias de negócios e planejarem como tornar suas equipes mais eficientes, num mercado cambiante.

2010 foi um ano tão tedioso que cheguei a pensar em não renovar a assinatura de jornais. Nem mesmo a Lei da Ficha Limpa – que tinha tudo para ser a reforma do ano - foi pra valer, pois um velhaco mudou um verbo na última hora e os colegas aceitaram. Longamente presos ao clima “não faça marola, temos que ganhar a eleição a qualquer custo”, nenhum político faria reformas.

A falta de reformas criou alguns furúnculos na economia, que intumesceram e estão vindo a furo: a inflação saiu da meta; as contas externas apontam para um estouro de US$ 64 bi, segundo o Banco Central; e, o pior de tudo, não tem sobrado dinheiro para pagar os juros da dívida pública, que só cresce. As bactérias estão aí e, por isso, os furúnculos incham. É o resultado da paralisia política dos últimos anos.

Essa situação aflitiva vai obrigar a presidente Dilma a fazer intervenções, para evitar o descalabro. Mas há um lado positivo: 2011 traz em seu DNA esperança para os empresários que lutam num mercado competitivo.

Algumas opções são: a presidente vai onerar as importações; ou vai desonerar os custos de produção interna; ou vai dar incentivos aos exportadores, melhorando a margem; ou vai baixar o custo de capital para a pequena e média empresa; ou vai manter o câmbio flutuante apenas para países que também deixam sua moeda flutuar (política do olho por olho).

Comum a todas essas alternativas, a presidente Dilma vai esfriar o consumo, amenizando o apagão da mão de obra que tortura os empresários e é fonte de inflação. Viva 2011.

Os furúnculos que estão vindo a furo vão exigir a atenção da presidente logo no começo. Isso agrada os verdadeiros empresários, pessoas que têm pressa. Outra conseqüência boa: a situação interna não deixará tempo disponível para que seja mantido o protagonismo almejado nos últimos anos no cenário mundial. Foi um fracasso. Dilma já sinalizou. Nossas trapalhadas jogaram para longe o assento importante na ONU que pretendemos. Foi trabalho de amadores. Agora é dar tempo para que os líderes mundiais esqueçam nossas contradições.

Mais pressão em cima da presidente: Copa e Olimpíadas têm data pra valer, e não dão espaço para a maneira “faz de conta” de tocar projetos. Ou aprontamos os estádios ou teremos um fiasco histórico. Ou expandimos os aeroportos ou sofreremos uma vergonha. Ou melhoramos o transporte ou o distinto público não assistirá os jogos.

Essas questões cabeludas exigem planejamento e execução por profissionais de primeira, raramente recrutáveis no meio político. Quanta oportunidade o ano de 2011 está trazendo para os empresários!

As exigências de 2011 estimularão empresários e jornalistas a arregaçarem as mangas; os empresários, refinando suas estratégias de negócios e planejando como tornar suas equipes mais eficientes num mercado cambiante; e os jornalistas, imaginando matérias que despertem a paixão do assinante. Uma prece não vai atrapalhar, porém.

(*) Valdivo Begali é mestre em Administração e possui cursos de especialização em Planejamento Estratégico nas Universidades Columbia e Michigan State, dos EUA.

Desarranjo planetário
Enfrentamos um desarranjo global na gestão pública. Os líderes se afastam da ideia de que são responsáveis por imprimir melhora geral na qualidade hu...
Tudo pelo cliente
Muitas pessoas me perguntam como é o meu dia a dia, como é administrar uma das marcas mais valiosas e admiradas do Brasil. Posso dizer, sem falsa mod...
OMC: a derrota anunciada
Não deixa de ser curioso que, num momento em que a Organização Mundial do Comércio (OMC), com sede em Genebra, é dirigida pelo diplomata brasileiro R...
Os cuidados que os varejistas devem ter com as novas leis trabalhistas
No próximo mês de novembro entrará em vigor as novas regras trabalhistas. Empresas e trabalhadores de diversos setores, entres eles o varejista, prec...



Caro Ronaldo, esse medicamento, ação, é produto em falta no mercado brasileiro. O que se encontra de quando em quando são alguns placebos completamente inócuos (ou talvez não) a que se dá nomes pomposos como PAC e congêneres. Vergonha, caríssimo, é outro remédio difícil de encontrar.
 
Marly Siqueira Caramalack em 19/01/2011 08:09:28
Sr.Valdivo,para furúnculo,o remédio é unguento de basilicão.Para "puxar",e logo vir à furo.No "furúnculo' Brasil,o remédio é unguento "ação".E rápida e eficiente.E também é preciso uma boa pomada cicratizante,para "curar" lesões cutâneas deixadas pelo inepto que largou o poder(tomara que largue as tetas).Senão,passaremos vergonha perante o mundo.Lembrem-se da Colômbia de 1986. Lembrem-se,PELO AMOR DE DEUS.
 
Ronaldo Ancél Alves em 11/01/2011 02:18:01
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions