A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Domingo, 25 de Agosto de 2019

29/05/2019 19:07

A fábula pouco fabulosa da bala perdida

Por Jurandir Renovato (*)

 

Era uma vez uma bala perdida, mas tão perdida que vivia triste de dar pena. Sentia-se perdida não só na acepção comum atribuída a qualquer projétil desgarrado que, ao desviar-se do seu alvo, vai ao encontro do que não devia nem estava previsto. Eis aí justamente o seu dilema e a sua perdição. Pois até mesmo uma bala perdida sempre acaba encontrando alguma coisa pela frente. Um braço, uma cabeça, até uma bunda serve. É o seu destino e o seu objetivo no mundo, ainda que tortos.

Nossa bala perdida, porém, não encontrara nada, por isso achava-se perdida também no sentido existencial da palavra. E assim, indiferente a toda essa confusão semântica, vagava pelo mundo remoendo dia e noite o momento fatídico no qual havia se extraviado do tiroteio e pelo qual se perdera de si mesma.

Lembrava como se fosse ontem. Havia uma rua larga que dava, de um lado, para uma biblioteca de pé direito tão alto quanto o preço dos produtos do supermercado rutilante do outro lado dela. Os primeiros tiros, claro, partiram do supermercado, contra uma viatura estacionada no sentido oposto.

Disparada logo no início do confronto, a bala (que ainda não estava perdida) sentiu um arrepio agradável quando seu corpo, enfim despido do cartucho, foi arremessado na direção de um guarda franzino agachado perto da viatura. De repente algo deu errado. Sua pele de chumbo fundido raspou contra o asfalto quente e, após ricochetear sobre uma superfície macia, aparentemente de lata, tomou o rumo do prédio atrás do policial.

Como um raio, entrou por um vão da ampla janela e atravessou a sala cheia de mesas e cadeiras e estantes. Passou rente à orelha esquerda de um rapaz que lia atentamente (quer dizer, tentava ler) os Prolegômenos a toda metafísica futura, de Immanuel Kant.

Era um livro indicado por sua professora do cursinho como uma introdução ao pensamento do filósofo alemão, e que ele imaginou ser algo como um daqueles volumes pequenos da coleção Primeiros Passos, pois ele sabia que ela sabia que ele só lia livros de bolso, melhor ainda se fossem do Olavo de Carvalho, esse, sim, um crânio, do qual ele entendia quase tudo, principalmente os palavrões, mas – faça-me o favor – aquele tijolo tinha mais de oitocentas páginas e ele não conseguia entender nem o título!

Quando a bibliotecária de lindos olhos azuis colocou o livro sobre sua mesa, só aí o rapaz se deu conta de que: 1) a professora tinha zoado com a cara dele; e 2) agora era tarde demais.

A bala perdida zuniu na sua orelha no momento em que tentava decifrar pela vigésima vez o primeiro parágrafo do prefácio – e ele nem percebeu ter se safado por um triz. Ela passou tão perto a ponto de levantar algumas mechas de seu cabelo, e invadiu o estreito corredor repleto de estantes abarrotadas de livros de todos os tipos e cores e formatos e títulos e temas.

A bala perdida sentiu-se levemente enjoada diante do peso de tanta informação e conhecimento e, traindo a natureza invariavelmente retilínea de seu trajeto, passou a dar voltas por entre as inúmeras prateleiras feito um inseto. (A bibliotecária de olhos azuis pensaria exatamente isso anos depois, que nunca tinha visto uma mosca tão rápida e estranha quanto aquela do dia do assalto ao supermercado.)

Tudo começou ali. Como se aos poucos fosse esgotando o seu impulso vital de bala perdida, aquele elã explosivo que a motivava a seguir no encalço de uma vítima aleatória; e assim, aninhada entre os livros daquela biblioteca, mergulhou numa tristeza profunda.

Se houvesse no mundo um psicanalista de balas perdidas, decerto cravaria se tratar de um caso agudo de crise de identidade. E mesmo sob o risco de despertar um monstro adormecido, faria todo o possível, esse hipotético psicanalista, para recuperar a autoestima de sua paciente, trazendo-a de volta à sua belicosa condição natural. Talvez subitamente descruzasse as pernas, ou pusesse a mão no queixo, ou retirasse os óculos, ou tudo isso junto, e depois dissesse “hum… veja bem”, que é o modo como os psicanalistas gostam de iniciar uma consulta.

Então diria, de um modo jovial, que o cerne do transtorno estava tipo na maneira como se estabelecem redes de relações com o outro, as quais vão definir a sua individualidade, ou seja, o seu eu enquanto sujeito no mundo. No caso de uma bala perdida, qualquer uma, o comportamento desviante é tipo uma forma de atestar sua impaciência frente ao destino que se impõe a ela diante das diferenças.

Trocando em miúdos, é tipo uma negação de si mesma, no caso particular da nossa bala perdida, uma dupla negação. Por isso será preciso reconstruir a personagem bala perdida desde o momento de encontro com a primeira negação, em que se subscreve um desvio natural, até chegar ao da segunda negação, onde se dá a ruptura com sua natureza desviante (ao desviar-se do desvio) e portanto de produção de conflito. É tipo isso.

Mas eis que na sala esteja um líder sindical, no seu horário de folga, pesquisando para sua dissertação de mestrado (sempre atrasada) sobre a influência do relógio de ponto na construção do mito do herói nacional, e ele, não se contendo, interrompa o psicanalista, afirmando ser tudo uma grande baboseira, que a questão é dialética, companheiro!

Uma abordagem sociológica de fato colocaria a situação em outros termos, temos de concordar com ele; isso se houvesse uma sociedade de balas perdidas a ser abordada, não é mesmo, companheiro? Mas vamos supor que sim, que haja uma sociedade desse tipo. Tudo aqui é suposição, inclusive ele próprio. Então o que ocorre é um deslocamento no plano identitário diante de um sistema cultural opressivo. Não se vendo como parte integrante desse sistema e para se manter no controle de si mesmo, o indivíduo subverte o status quo.

Nesse sentido tornar-se bala perdida seria uma forma de resistência a uma realidade desde sempre fadada a ruir. É virar as costas à falsa objetividade de uma sociedade decadente, bem como às suas regras de boa conduta; é se negar a compactuar com uma moral por trás da qual se escondem o preconceito e a intolerância; e assim, ao não escolher um alvo específico e portanto podendo atingir qualquer um indistintamente e sem nenhuma discriminação, a bala perdida assume os riscos de um verdadeiro ato revolucionário.

Um ato revolucionário, vejam só! O sindicalista estaria exultante. Até se lembrar de nossa bala perdida e de sua incapacidade de aceitar sua índole transformadora. O problema, ele pensaria, é o peleguismo; o peleguismo é contrarrevolucionário.

Um filósofo existencialista que casualmente passasse por ali a caminho da copiadora e se detivesse por um momento a ouvir a conversa, acharia interessante a ideia de ato revolucionário colocado nesse contexto, e até concordaria com o sindicalista não fosse o fato de que para haver uma ação revolucionária seria preciso haver também a vontade do ato, no mínimo, a consciência dele.

Uma bala perdida, no entanto, não é produto de uma ação deliberada, mas de um erro de cálculo, de um extravio, de uma imprecisão; ela não tem um propósito definido, não tem uma causa, um objetivo; não é fruto do ódio, nem do rancor, mas do acaso, por isso ela está condenada a uma eterna liberdade sem sentido. A consciência dessa condição absurda gera angústia. A bala perdida que se desvia de seu desvio natural é um ser angustiado por ter adquirido consciência.

E antes que aparecesse por ali outro sabichão hipotético a refletir, quem sabe, sobre a natureza do Bem e do Mal, talvez um padre que estivesse ali reforçando o seu latim, ou um esotérico a empunhar o último livro do Paulo Coelho, esgotada diante de tanta suposição, a bala perdida deu o fora dali. Só bem mais tarde notariam que o objeto de suas reflexões não estava mais onde supunham estar.

Ela foi até o alto de uma ponte sobre um rio poluído e se atirou no vácuo. O vento muito forte mudou seu curso em direção da ciclofaixa, a cem metros dali, e a bala perdida suicida acabou atingindo a cabeça de um professor de literatura que pedalava calmamente sua bike a caminho da faculdade de letras. Ele estava usando capacete apropriado, mas o impacto foi tão forte que destruiu o capacete e tudo o que havia dentro dele, inclusive os planos para a aula de poesia parnasiana daquela manhã. Alguns alunos foram para casa mais cedo, outros seguiram para a biblioteca.

Moral da história (ao estilo determinista-dialético)

O fato de sua cabeça nunca ter pensado sobre um determinado assunto não impede que o assunto caia sobre sua cabeça num dia não determinado.

(*) Jurandir Renovato é jornalista e editor executivo da “Revista USP”.

Empréstimo consignado para a casa própria dos servidores públicos
Por conta de todas dificuldades econômicas que enfrentamos, há uma necessidade premente de encontrarmos saídas, alternativas para enfrentar essas atu...
Pedagogia da Felicidade
Com manifestações expressivas nas universidades de Harvard e Yale, nos Estados Unidos, um fenômeno que tem chamado atenção de estudiosos e do público...
Contabilidade eficaz é importante para o sucesso da desestatização
O arrojado plano de privatizações, parcerias público-privadas (PPPs) e concessões sinalizado pelo ministério da Economia, considerado um dos pilares ...
A que(m) interessa a crítica à homoparentalidade?
Ao início do século XX, o patrimônio jurídico brasileiro agitava-se com a possibilidade de chegada de um Código Civil. Clóvis Beviláqua, redator da p...
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions